Allfabetização

Este postal é - creio - uma fotografia retirada dum dos dois filmes que há dias vi sobre as campanhas de alfabetização, as tais em que eu gostaria de ter participado em Agosto último se ... Esta cena do filme era comovente: uma mulher que até aí não sabia comunicar por escrito, conseguir fazê-lo. A procura das sílabas, o gesto hesitante, o voltar atrás para corrigir ou desenhar melhor a letra !!! Deve ser bestial um tipo descobrir que sabe ler, não achas? (1974)

Escrevivendo e Photoandando

No verão de 1996 resolvi não ir de férias. Não tinha companhia nem dinheiro e não me apetecia ir para o Mindelo. "Fechado" em Setúbal, resolvi escrever um livro de viagens a partir dos meus postais ilustrados que reavera, escritos sobretudo para casa em Luanda ou para a mãe do Rui e da Susana. Finda esta tarefa, o tempo ainda disponível levou me a ler as cartas que reavera [à família] ou estavam em computador e rascunhos ou "abandonos" de outras para recolher mais material, quer para o livro de viagens, quer para outros, com diferente temática.

.

Depois, qual trabalho de Sísifo ou pena de Prometeu, a tarefa foi-se desenvolvendo, pois havia terras onde estivera e que não figuravam na minha produção epistolar. Vai daí, passei a pente fino as minhas fotografias e vários recorte, folhetos e livros de "viagens", para relembrar e assim escrever novas notas. Deste modo o meu "livro" foi crescendo, página sobre página. Pelas minhas fotografias descobri terras onde estivera e juraria a pés juntos que não, mas doutras apenas o nome figura na minha memória; o nome e nada mais. Disso dou por vezes conta nas linhas seguintes.

.

Mas não tendo sido os deuses do Olimpo a impor me este trabalho, é chegada a hora de lhe por termo. Doutras viagens darão conta edições refundidas ou novos livros, se para tal houver tempo e paciência.

VN

sexta-feira, 31 de agosto de 2007

Internet - Mundo dos Zapping



Fica sempre a nostalgia do que se perdeu ou não foi alcançado

Victor Nogueira escreveu:
.
Não acredito em "cadeias" mas a verdade é que deixamos quase sempre para amanhã aquilo que gostaríamos de dizer a quem merece a nossa estima ou amizade. E a vida é tão frágil que no próximo instante o amanhã poderá inexoravelmente deixar de existir e fica apenas o vazio ou o nada, com a nostalgia do que se perdeu e a dor do que não foi alcançado ou com as palavras definitivamente cristalizadas..
.
E se de algum modo estás na minha lista é porque por ti tenho estima e consideração. Sei que o silêncio será de muitos/as a resposta a uma chama breve como é a do fósforo que se acende e breve se apaga!
.
Chama cuja desaparição se não nota no dia soalheiro ou cuja falta se sentirá no regresso da escuridão.
.
Victor Manuel
_________________

Victor
.
como vc é dengoso! gosto muito de ti amigo!
.
beijos
.
X1
_______________

Victor Manuel bom dia.
.
Adoro receber um e-mail seu, escreves tão lindo, és realmente um poeta. Se continuares a me escrever tão lindas pérolas assim eu corro o risco de me apaixonar por você.
.
Amigo distante deixo aqui o meu carinho na poesia de meu mestre Venicius de Moraes.
.
Bjs X2
__________

Supersticiosa ou não, devo dizer que achei lindo, por isso não deixo para amanha e digo hoje.
.
Tenho uma grande alegria em ter-te como amigo. Gosto muito de ti. Mesmo ausente é grande o carinho que tenho por ti.
.
O meu novo mail: (...)
.
Já tenho adsl daí os novos mail
.
beijinhos querido amigo
.
X3
__________

Victor Manuel
.
bom dia meu internauta preferido.
.
Amigo não se bloqueie, nunca deixe pra amanhã quando sentir necessidade de expressar o seu sentimento, seu carinho pra uma pessoa amiga. Dizem que os europeus são difíceis de demonstrar isso, mas nós brasileiros não, somos um povo muito espontâneos, adoramos demonstrações de amizade, carinho. Não sabemos nada do amanhã, então torna-se necessário fazermos o "hoje".
.
Te conheço faz tão pouco tempo mas já estou nutrindo por você uma bonita amizade, já fico aqui diante desse micro esperando uma palavra carinhosa, um poema seu, ........
.
Boba que sou deverás pensar. Mas sou assim, pura sensibilidade e bem querência. Nada sei do amanhã, então não faço economia em demonstrar carinho quando alguém me conquista. Deixemos fluir isso que vem surgindo entre amigos distantes, se esforce homem carismático que te espero sempre. Não tardes pra mim, essa internauta que não te conhece nos contornos mas que já te gosta muito.
.
Beijinhos carinhosos da X4

______________

Acredito que haverá sempre um amanhã, um novo amanhã. Que o que não fizeste hoje, sempre poderás reparar. Que é certo que quanto mais cedo te depurares, menos terás para ressarcir.
.
Que a vida é um abrir e fechar de olhos continuado. que cada vez que se fechamos os olhos, veremos melhor ao abri-los de novo. Que se deve viver a vida como se cada dia fosse o último.
.
Que a mágoa não se deve sobrepor ao sorriso. Que errar é humano, mas que devemos reparar os erros. Também se impõe a tolerância e a compreensão, bem como o amor. E tudo isso começa por nos tolerarmos, perdoarmos e amarmos anós próprios, para podermos senti-lo puramente pelo próximo. Que o espiritual deve sofrer um estímulo constante e cada vez mais tempo dededicação. Que devemos, melhor que decorar o nosso poema preferido, escrever, criar, a nossa frase, o nosso verso, o nosso conto....
.
Para lá das trevas, para lá do mar revolto, acena a esperança, esperança de que a principal lição aprendida seja a de que a luz vem de dentro de nós, tal como a paz nos é intrínseca....
.
Até amanhã amigo
.
E boa noite.
.
X5

______________

Olá Victor!
.
As tuas palavras são sempre muito adequadas! E de mim só tem restado o silêncio! Isso causa-me tristeza, mas apenas posso ficar com ela. Sei que estou na tua lista de amigos/as, obrigada tbm pela atençao que tens conseguido manter, para mim! E não tenho conseguido retribuir! Um dia (mts dias) pensei que poderia ser tua amiga!
.
Hoje parece-me que não posso transmitir-te essa amizade! Nem sei se deva! Guardo-a! Desejo-te uma boa vida, muitas coisas boas. Manda-me os mails que entenderes. Gosto sempre de ler, de ver, de saber de ti! Escrever-te-ei aqui, umas frases de vez em quando, tá? Bom verão, boas férias.
.
BeijinhoS
.
X6
.
P.S. De 13 a 22 deste mês vou à Irlanda. Deseja-me que o avião em que vou seja apenas mais um dos que por aí vão e vêm!

BLOG CINCO ESTRELAS - OS MAIS

Sexta-feira, Agosto 31
.


E os vencedores são:

Com 4 votos é o :

Com 5 votos é o:

Com 6 votos é o :

Com 7 votos é o :

Com 8 votos é o :

( dúvida Cruel)

Mas vamos lá...

!!!

Aqui está a lista com todos os participantes do prêmio.
Agradeço a todos e conto a presença de cada um no próximo ano
para nova eleição do prêmio blog 5 estrelas.


in http://npramim.blogspot.com/

quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Ainda sobre o BLOG CINCO ESTRELAS

Camarada:
.
Obrigado pelo gesto. Não tinha reparado da vez que PASSASTE PELO TEMPO DAS CEREJAS QUE TINHAS UM BLOGUE PELO QUE VOU ACRESCENTA-LO À LISTA DE LINKS.
.
SAUDAÇÕES DO
.
VÍTOR
.
«O Tempo das Cerejas»

Internet - Campeã dos Zapping

.
* Victor Nogueira e uma co-autora cujo nome se não devenda
.
Ola Victor!

> Esqueci-me de perguntar qual o texto que te enviei da 1a vez, com as
> fotografias!

Eu tambem nao o tenho aqui comigo (esta no meu portatil em casa e eu
estou a escrever-te da universidade)

> E aguardo que me oferecas um exemplar da tua tese de mestrado

Por acaso nao tenho mais exemplar nenhum disponivel (ofereci-os a
todos e nem para mim fiquei com copia, a nao ser nas disquetes). Um
destes dias vou imprimir tudo outra vez e ai ofereco-te um exemplar,
ok?

> e uma amostra
> duma das tuas cartas de amor. ;-)


Isso e que e mais dificil...elas sao tao contextualizadas que
provavelmente nao fariam qualquer sentido para ti se as lesses.
Mas nao me sera dificil escrever-te uma carta mais ternurenta e
sensual (que e exactamente o que tu suscitas em mim...uma ternura
doce com laivos de sensualidade).

So nao o faco ja porque tenho uma aula daqui a dois minutos...talvez
logo a noite ou amanha....

Quanto as tuas fotos, elas sao lindissimas....aparentemente como tudo
aquilo que passa pelas tuas maos....hum....as tuas maos...

Um grande beijo

a) co-autora cujo nome se não devenda

quarta-feira, 29 de agosto de 2007

É Justo ... ?



.

Vote e justifique no postBlog: Bodega Cultural


.


.
Em resposta ao desafio de Ludovicus, coloquei nos Comentários do «Bodega Cultural* a minha opinião que transcrevo aqui.
.
Victor Nogueira disse...
.
Todas as guerras, mesmo as justas para a libertação, causam mortos, mau cheiro, corpos estralhaçados, sangue, muito sangue, gritos, sustos, choro, traumas e medos para toda a vida. E nós, felizardos, os que não foram à guerra, não sabem o que é o horror da guerra. Dias antes do 15 de Março Salazar teria sido informado pelos States, que apoiavam a UPA, movimento racista e tribalista como a UNITA, que ia haver massacres. Se assim foi, o Governo de Salazar nada fez, para ter um pretexto como aquele que exigiu ao General Vassalo e Silva relativamente à India Portuguesa: vencedores ou mortos, sabendo que vencedores nunca seríamos e apesar de todas as tentativas de Nerhu para uma solução Pacífica.
.
As horríveis mutilações de fazendeiros brancos e trabalhadores bailundos, do sul de Angola e doutro povo, serviram para inflamar os ânimos e, para as milícias brancas, o negro bom era o negro morto. Tinha eu 15 anos e isso fez-me mudar a visão das coisas. E mas tarde soube-se, apesar da censura, que semanas antes do 15 de Março, a Força Aérea Portuguesa, ao serviço da COTONANG, havia regado com napalm as sanzalas dos camponeses em greve porque aquela companhia lhes queria impedir as culturas próprias, para forçá-los a entarem para o sistema capitalista por força da imposição da monocultura algodoeira. Milhares de camponeses teriam sido assim queimados vivos, homens, mulheres, novos e velhos.
.
Em 1966 vim estudar para Portugal. pois só depois do início da guerra se criaram universidades nas colónias, iguais às de cá, mas não todos os curos. E como o Curso de Economia não existia lá, vim para um país que não era o meu - Portugal. Mas aqui, ainda sabíamos da guerra, dos crimes, das denúncias, claramente na clandestinidade ou lendo para além das linhas permitidas ao Diário de Lisboa, à República e outros, aos documentos do movimento associativo estudantil ... Mas em Angola todos os órgãos de informação eram controlados com mão de ferro, convencendo os brancos, muitos autonomistas mas não sob governos negros, que Portugal venceria e com ele as suas aspirações à independencia estilo Ian Smith, na Rodésia.
.
Tenho num dos meus blogs imagens da guerra do Iraque que perturbam as pessoas, tão sensíveis, mas que nunca estiveram em situação de guerra. Uma coisa são as imagens colocadas por prazer necrófilo, outra é vê-las, violentas, mas sem cheiro nem som.
18:53
.
Muito bom Victor Nogueira, apesar de quer, não creio que alguma guerra seja justa."Uma coisa são as imagens colocadas por prazer necrófilo, outra é vê-las, violentas, mas sem cheiro nem som." - Você disse. Eu acrescentaria que para quem tem sensibilidade humana, eles têm cheiro de sangue e o som horrível dos gritos de dor. Abraços.
19:02
.
ANTONIO DELGADO disse...
Excelente postagem [da Bodega Cultural] esta sobre uma questão que é deveras importante: se é legitimo apresentar mortos da guerra do Iraque, incluindo crianças? Por um lado acho que sim porque é a forma de denunciar aquilo que se passa mas por outro cria um sentido necrofilo nas pessoas e a morte é banalisada e espectacularizada sobre aquilo que sobra de um ser vivo. O cadáver torna-se meio de reinvindicações. Este é o lado pelo qual não se devia de mostrar os corpos mortos. Parece-me que viola a intimidade de quem já não tem vida... Um abraço e parabéns pelo tema que muito complexo.antonio
19:23
.
Do absurdo da guerra fala Antunes Ferreira nos seus «contos» em
.
Mas tb podem visitar-me em
.
.
para não falar em
.
.
As imagens são mais chocantes que as palavras? Eu não amo a morte, mas sim a VIDA, a HUMANIDADE, A NATUREZA, A PAZ E A IGUALDADE.
.
Por cada soldado nazi morto, quantos civis eram fuzilados? Qual a diferença entre Dresden e Guernica, Hiroshima ou Nagasaki. Por cada morto por Estaline na ex URSS (não defendo os crimes) nestes 400 anos em todo o mundo, em nome da Religião Verdadeira e da Civilização dos «selvagens» quantos mortos pela capitalismo foram cometidos pelas várias variantes baseadas no Cristinismo e na Fraternidade? Quantos genocídios?
.
Sabiam que Leopoldo imperador da Bélgica tinha uma colónia privativa em África, aquilo que veio a ser o Congo ex-Belga, e que durante a sua propriedade imaginam quantos morreram vitimas do trabalho escravo ou da revolta, para benefício da bolsa de Leopoldo e seus associados? Cinco milhões. Poucos? Nessa altura cinco milhões de mortos representaram em pouco tempo cinquenta por cento da população negra da colónia!
.
Sabem o que faziam aos revoltosos? Leiam o Coração das Trevas, de Joseph Conrad. Espetavam as suas cabeças em paus ao longo das estradas, como faziam soldados portugueses que até guardavam como recordação orelhas ou jogavam à bola com as cabeças decapitadas. Por cada morto em 11 de Setembro, quantos mortos já nas guerras preventivas dos EUA e seus países aliados, entre os quais o nosso que despudoradamente ignora a Constituição Portuguesa e a Carta da ONU?
.
Um abraço de quem ama a VIDA !
.
VM
.
(1) Num dos «contos» do Antunes Ferreira chamado «SOMBRA DA GUERRA COLONIAL - Carne Fresca» e colocado na Quinta-feira, Agosto 16, 2007 e transcrito em no meu blog Ao Sabor do Olhar, dos vários comentários baquele, reproduzo o meu:

Victor Nogueira disse...
Viva :-)Era Angolano mas hoje não tenho Pátria. Eu não fiz a guerra colonial, mas sei do absurdo e da alienação do que de humano possa haver em cada um de nós por causa dela. O livro que o Antunes Ferreira vier a publicar, terá o sentido que ele lhe der: o absurdo da guerra, em que os soldados são muitas vezes joguetes de interesses que estão fora do seu alcance, picaresco se for de apresentar as cenas cómicas ou irónicas, estilo In Illo Tempore do Trindade Coelho. Ou ser uma entremeada das duas.
.
Parece-me que a tragédia, o absurdo da desumanização, a igualdade entre os homens e o respeito pela causa defendida pelo «adversário» são o fio condutor das suas crónicas. Tragédia e absurdo que aringiu os vários povos em conflito, numa guerra justa ou injusta conforme o modo como a interpretarmos e da visão que adoptarmos.
.
Creio que o Henrique tem uma visão humana dos homens em confronto e que é isso que pretende transmitir, sem «trair» ou diabolizar o adversário. Claro que de ambos os lados há anedotas, episódios humorísticos, uns ofensivos, outros não. Será correcto entremear a «tragédia e suavizá-la com o picaresco para aliviar ou descomprimir o mal estar? Esta a minha pergunta. A resposta e a decisão cabem exclusivamente ao meu camarada das letras, ouça ou não o «conselho dos comentadores. Nenhuma guerra é alegre!
.
Para ti, Henrique,
um abraço.
VM
12:41 AM

Ainda as Nomeações - BLOG CINCO ESTRELAS

Olá Victor,

Obrigado pela tua nomeação. Pelo que depois reparei o envio de nomeações acabou ontem à meia-noite. Daí que com pena minha não vá poder distribuir estrelas pelos vários blogues estrelados da blogosfera. Evidentemente , entre eles está o Kant_O_XimPi :-)

As fotos sao todas da minha autoria.

Um abraço,

João

ter 28-08-2007
____________

Camarada João (1)
.
Isto das nomeações vale o que vale. De qualquer modo dou-te nota da minha nomeação. Cá recebi as fotos que breve serão publicadas. Presumo que sejam todos de tua autoria, para referi-lo como tal
.
Um abraço
Victor Nogueira
.
Blogue: Ao (es)correr da pena e do olhar
Mensagem: BLOG CINCO ESTRELAS
.
8/27/07

_________

(1) As Vinhas da Ira (http://asvinhasdaira.wordpress.com/)

terça-feira, 28 de agosto de 2007

Blog 5 estrelas - As nomeações estão imparáveis, como se fossem os Dragões do Porto :-)



Prémio blog cinco estrelas

redonda disse...
.
Em comentário soube hoje pela Elza do blogue Nada para mim que o meu blogue foi indicado para o prémio blog cinco estrelas (entretanto vou tentar descobrir quem me indicou...)
.
Fui ao seu blog e a um link nele indicado para descobrir que este prémio foi criado para sublinhar o dia 31 de Agosto, o dia do blog, criado para que os bloggers tenham um dia dedicado ao conhecimento de novos blogs, de outros países ou áreas de interesse..
.
Copiei de lá o regulamento que é o seguinte:
.
(...) No dia 31.8.2007 serão anunciados os vencedores.
.
Os blogues que nomeio são:
- Apetecia-me um blog
- A antecâmara
- Kant_O_Ximpi
- pin gente
- madrigal
.
Gostaria de poder nomear muitos mais e não foi nada fácil escolher estes. E espero que em futuras nomeações para outros prémios dê para nomear aqueles que agora não pude.

posted by redonda at 8/27/2007 06:51:00 PM

«Somos Livres» ?

* Victor Nogueira

A propósito dum post em Citizen Mary - http://citizenmary.blogspot.com/
.
A Blogosfera é como todas as invenções humanas: podem ser bem ou mal utilizadas e a boa ou má utilização dependem, no fundo, de critérios de classe, de cultura ou de religião. Mas o alcance da blogosfera, amigos, é limitada. De que servem os livros a um analfabeto ou se forem um conjunto de signos que não aprendemos ou não sabemos decifrar e, sobretudo, descodificar?
.
Nós, que utilizamos a internet, nós, que pensamos e queremos que seja um espaço de liberdade responsável, de aquisição ou trabsmissão do saber ou do conhecer, somos uns privilegiados, uma minoria no mundo. E somos uma minoria porque a esmagadora maioria não tem acesso à internet, a esmagadora maioria não sabe ler ou escrever. E mesmo que o saibam, expressam-se em múltiplos idiomas e signos diferentes que uns e outros não sabemos decifrar. Podem dizer-me que há os tradutores automáticos, mas quem já os experimentou sabe que o texto obtido é completamente incompreensível quando não anedótico.
.
Mas hoje há uma outra forma de censura, sofisticada, invisível. As grandes superfícies comercais e as livrarias tipo FNAC ou Bertrand controlam uma elevada quota do mercado e só publicam quem elas quiserem e, mesmo publicando, podem não publicitar a obra ou não colocá-la em escaparates. E se é verdade que a FNAC e a Bertrand ainda têm alguma diversidade de «mercadoria», o mesmo não sucede nas grandes superfícies comerciais, onde predomina a literatura «light» ou «esotérica» , de ler, esquecer e deitar no caixote do lixo, ou os livros e DVD's vendidos ao quilo, como se de um saco de batatas se tratasse. Para outra diversidade, restam os alfarrabistas ou as «feiras» do livro como as que se faziam (fazem?), por exemplo, no Mercado da Ribeira, em Lisboa, ali ao Cais do Sodré
.
O mesmo se passa com os cinemas,onde predomina esmagadoramente a filmografia norte americana, pouco diversificada.
.
Antes do 25 de Abril havia espaço para pequenas editoras, com maior variedade e diversidade editorial, os cinemas iam desde o «piolho» até grandes salas como o Coliseu, O Rivoli ou o Batalha, no Porto, ou o Monumental, o Eden, o Tivoli ou o Condes em Lisboa. E depois havia os Cine-Clubes. E mesmo nas pequenas vilas e cidades havia um cinema, a maioria hoje desactivados ou em ruínas. A programação era diversificada e de muitos países, com predominância para os países da Europa, e mesmo na TV era possível ver filmes doutros países, o que tb sucedeu após o 25 de Abril.
.
De modo algum estou a defender o fascismo ou a dizer que nele havia liberdade. Digo que apesar do visto da censura ou do exame prévio, apesar das apreensões e buscas da PVDE/PIDE/DGS, era possíver saber doutros países, doutras culturas. doutras formas de expressão. E hoje, sem censura, ela voltou de facto, porque a maioria do mercado está em meia dúzia de mãos dos senhores do dinheiro e as pequenas editoras, os raros cinemas alternativos, alguns recuperados pelos Municípios, estão extintos ou em vias de extinção, sobretudo fora das grandes cidades. E os senhores do dinheiro defendem o mundo deles, publicam aquilo que «distraia» ou descomprima a «adrenalina» e não aquilo que vá contra o «pensamento único, que ponha em causa a alienação de que a maioria está possuída, ou o poder de quem manda e de facto ordena.
.
Não talvez a maioria, ainda assim privilegiada que nós somos, mas a imensa maior maioria dos que têm fome no estômago e fome de justiça, dizimados pela doença, pela falta de cuidados médico-sanitários, por bombardeamentos dirigidos «cirúrgimente» mas com incontáveis danos colaterais.
.
Poderia dizer-se que a blogosfera tem muita gente, embora com objectivos diversificados. E mesmo aqueles que têm os mesmos objectivos, como se organizarão para tornar mais justa a sociedade diferente que é preciso construir?.

Um abraço a todos que acreditam, sem força porque dispersos ou desconhecendo-se, num outro mundo onde a humanidade não viva na opressão, na miséria, na vegetabilidade!

Momentos Virtuais (2)

A Maria Faia resolveu distinguir-me com uma nova menção, que agradeço do fundo do coração. Mas se continuar a receber «nomeações» e «prémios» a este ritmo, qualquer dia pareço um daqueles generais muito medalhados ou condecorados, condecorações que têm de ser substituídas por umas tirinhas multiculares que lhes cobrem o peito até à cintura. Mas se isso acontecer, prometo-vos que crio um sétimo blog, número cabalístico, cujo nome não desvendo, para nele colocar todas as menções, prémios e apreciações que generosamente começaram a vir às catadupas. Combinado?
.
* Victor Nogueira

CERTIFICADO

Então, demos a palavra à Maria Faia !

«O Mário Margaride, do Blog Amigo Canto Poético, outorgou ao Querubim Peregrino o Certificado de Blog "Melhores Momentos Virtuais".

Como não poderia deixar de ser, senti-me muito honrada com tal distinção.

Obrigado querido Amigo pelo carinho e atenção dispensada ao Querubim.

Porque, entendo como espaço de partilha este mundo da blogosfera, assume especial relevância a entrega deste Certificado a alguns daqueles que me deliciam com a qualidade e beleza das suas intervenções.

Por este facto, e apesar de constituir tarefa difícil a decisão de escolha, endereço este Certificado aos blogs que passo a citar:

- Aramis, do Aramis Cavalgada,




- Vitor Nogueira, do Ao (es)correr da pena,


- Manuel Gomes, do Atento,


- Papagueno, do Bairro do Amor2,


- Mara Carvalho, do Behappy,


- Ell, do Bichodeconta,


- Carlinhos Medeiros, da Bodega Cultural,


- Avelaneiraflorida, do Cantares de Amigo,


- Mário Margaride, do Canto Poético,


- Maria Mamede, do De Amor e de Terra,


- António Delgado, do Ecos e Comentários,


- Tinta Permanente, do Folhas da Gaveta,


- Freyja, do Lágrimas de Freyja,


- Luis Galego, do Infinito Pessoal,


- Ludovicus, do Momentos & Documentos,


- O Guardião, do Lusoinculto,


- Jorge, do Sino da Aldeia,


- José Gonçalves, do Por entre Montes e Vales,




- Lusófona, do Palavras Articuladas,


- Meg, do Recalcitrante,


- Carminda Pinho, do Fórum Cidadania,


- Zé Povinho, do Pindérico.


- Lucia Duarte, do Comentar a Nossa Terra.


Uma Semana Feliz para todos quantos a esta casa quiserem dar a honra de comparecer.
Maria Faia»


Segunda-feira, 27 de Agosto de 2007

publicada por Maria Faia

segunda-feira, 27 de agosto de 2007

Na morte de EPC

* Victor Nogueira
.
Por acaso estou a reler a Mãe, de Gorki. Claro que sendo um livro «violento», não tem o ascetismo de Até Amanhã, Camarada. A morte é o nosso destino desde que se nasce, para a qual caminhamos sem apelo nem agravo ou possibilidade de fuga. Mas para a morte, são vários os caminhos, uns alcatifados e veludosos, bem perfumados. Outros são ásperos, mal cheirosos, diabolizados, famélicos. Finda a caminhada, cada um tem a sua maneira de enfrentá-la ou aquela que não tem escolha.
.
No último Avante, Aurélio Santos (creio, pois há divergências na autoria na edição de papel e na electrónica) dizia que «Num mundo em que mandam os mercados comandados pelo capital, os vencedores e os perdedores são arrumados socialmente em duas categorias fundamentais: os que acumulam o capital especulativo financeiro, têm «poder de compra» e gozam de «consumo de luxo» - e os que se tornaram dependentes do crédito, por carência de recursos ou obcessão consumista, e, permanentemente ameaçados pelo desemprego, são empurrados para uma competição desesperada pela sobrevivência.»
.
Com qual delas se identificava EPC. cujas iniciais modificaram de sentido com o correr do tempo? Quem chora os anónimos deserdados da fome e os famélicos da terra? Quantos minutos lhes concedem as televisões ou as rádios, e quantos caracteres incluindo espaços lhes dedicam os Jornais? Quem trabalha, mesmo que alienado, mesmo que inconsciente da sua força, que atenção recebe, salvo ser pretexto de notícia para vender papel ou «agarrar» até à telenovela? Quantos daqueles que caminham e lutam ao lado dos famélicos da terra, não vêm as suas palavras e a sua actividade sistematicamente silenciadas ou deturpadas?
,
Como alguém comentou n' «O Tempo das Cerejas», cada classe que chore os seus mortos.

Momentos Virtuais


CERTIFICADO


Este prémio foi-me atribuido pela minha amiga Gasolina.

Fico comovida por tanta gentileza. Obrigada amiga de fogo.

Dedico também este certificado aos magníficos blogues seguintes:

- Alcobaça Ecos e Comentarios

- Cantares de amigo

- Catinu

- O Cartel

As citações que dei, pessoais. (2/2)



Tempo de agradecer...

A Casa foi nomeada pelo Victor Nogueira - Kant O Ximpi como «O Blog da Gentileza e Simplicidade»


Obrigada, Victor.




posted by Maria P. Sexta-feira, Julho 06, 2007 (Casa de Maio)

As citações que dei, pessoais. (1/2)

Wednesday, July 04, 2007

«Defensor e Amante da Natureza»





Este blogue foi nomeado pelo Victor Nogueira como defensor do meio ambiente..


Aqui fica o registo e, fatalmente, o "boneco"...

Obrigada, Victor.



.
A autora, no seu blog, apresenta-se como «Maria
Sempre perto do mar, Portugal
Do lado esquerdo na vida, em linha recta, na vertical. Contra a injustiça, a mentira, a hipocrisa. Solidária, inquieta, tolerante, transparente.»

BLOG CINCO ESTRELAS





A Maria Faia, do QuerubimPeregrino, nomeou-me para o galardão da blogosfera "Blog Cinco Estrelas".
.
A blogosfera é um universo imenso onde de tudo se encontra para todos os gostos. Nem uma vida inteira chegaria para visitar e conhecer todos e cada um dos blogs com alguma profundidade. Alguns são como estrelas cadentes, que logo desaparecem. Outros são como estrelas cuja luz continuamos a receber apesar de extintos ou inactivos.
.
Sendo assim, os blogs que nomeio são um símbolo, que justifico sem menosprezo por muitos outros.
.
O Cantinho da Zé, pelo seu Humor e Simplicidade, De Amor e de Terra,, pela Poesia e pelo Calor Humano e Solidário, Dona Redonda pelo seu Humor e por me ter aberto a «arca» da sua obra,O Tempo das Cerejas o blog que eu gostaria de ter capacidade e conhecimentos para fazer. As Vinhas da Ira, um blog que inequívocamente toma Partido, onde se aprende e desvendam muitos «segredos».
.
Ficam muitos de fora, como os de fotografia, essa ânsia de parar o tempo em pixles ou papel, tal como ele é, «visto» com os nossos olhos através do visor: belo ou feio, colorido ou preto e em tons de cinza e branco, ou como laboratório experimental.
.
Mas, por uma questão de justiça, extra-concurso, não posso deixar de referir Momentos e Documentos, do Ludovicus, pela sua Dedicação, Entusiasmo e Generosidade, e Travessa do Ferreira, meu camarada das letras e dos contos saborosos e, por último, mas os últimos serão os primeiros, BAOBAB, representante dos meus «manos» e «manas» de África.
.

Bem sei que respondo no último momento, no último dia, mas mais vale tarde que nunca.
.
REGULAMENTO:

1- Podem participar na votação todos os bloggers que mantenham blogs activos há mais de um mês.
2- Cada blogger deverá referenciar 5 (cinco) nomes de blogs. A cada menção corresponde 1 (um) voto.
3- Cada blogger só poderá votar 1 (uma) vez e deverá publicar as suas menções no seu blog (da forma que melhor desejar), enviando-as posteriormente para o seguinte e-mail:.elzinhalinda@gmail.com . No e-mail, além da sua escolha, deverá indicar o link para o post onde postaram as suas nomeações. A data limite para a publicação e envio das votações é dia : 27/08/2007.
4- De forma a reduzir alguns constrangimentos (e desplantes) e evitar algumas cortesias desnecessárias, também são considerados votos nulos: os votos do(s) blogger(s) em si próprio(s) ou no(s) blogger(s) em que participa(m), e ainda os votos no blog Nada Pra Mim.
5- Cada blog que for indicado ou indicar, deve conter de onde veio a origem do concurso, ou seja deverá manter um link para este blog a fim de que outras pessoas possam conhecer a idealizadora do conceito.
.
No dia 31/08/2007 serão anunciados os vencedores.

domingo, 26 de agosto de 2007

O Amargo dos Encontros Perdidos

.
Session Start: Fri Feb 07 02:29:21 2003
.
XimPi - viva :-)
Bela - tou viva, sim senhor
Bela - e tu?
XimPi - ah!
XimPi - pensei que fosses a bela adormecida :-)
Bela - também, é verdade!
XimPi - e és?
XimPi - a 49 ª duma longa linhagem?
Bela - é verdade
XimPi - descendente de cleópatra?
XimPi - ah ah ah
Bela - essa que eu saiba não pertencia à mesma linhagem!
XimPi - não?
Bela - era mais linha piramidal
XimPi - e nariz arrebitado
XimPi - e andar de lado :-)
XimPi - hierática
Bela - e snob
Bela - e infiel
XimPi - e a tua linha é estilo longilínea ou esferóide?
Bela - a bela adormecida era mais certinha!
XimPi - pois
Bela - um pouco das dias
Bela - duasº
Bela - e tu, tens alguma coisa de marco antónio?
XimPi - acordou com o beijo do príncipe encantado enquanto a cleópatra adormeceu definitivamente com a mordida da serpente :-)
Bela - prefiro a primeira
XimPi - eu sou mais estilo júlio césar falhado e traído :-)
XimPi - ah ah ah
Bela - hummmmmm
Bela - não me parece
XimPi - que te não parece?
Bela - és mais do estilo ulisses
XimPi - júluo=júlio
Bela - que deixou a donzela a bordar a toalha
XimPi - que te leva a ter essa "impressão"?
XimPi - serás tu estilo penélope?
Bela - um pouco
Bela - mas não desmancho os pontos
Bela - quando acabar......
Bela - caso com outro
Bela - :)
Bela - aliás já acabei a toalha, o outro é que ainda não apareceu......:)
XimPi - ah
XimPi - a teia está então tecida
Bela - a teia sim
Bela - mas sou uma aranha boazinha
XimPi - mas que te leva a pensar que sou mais estilo ulisses?
Bela - intuição apenas
XimPi - ?
Bela - sou assim
Bela - apreendo um pouco, leio entrelinhas
XimPi - e sendo ulisses e não júlio césar, que diferença faz isso a penélope, a aranha boazinha (i.e., bondosa ou charmosa?)
Bela - depende....uns vêm uma aranha e assustam-se, outros conseguem ver a obra de arte que é uma teia
Bela - só pode vir dum ser inteligente
XimPi - que significa "só pode vir duma pessoa inteligente"?
Bela - porque com um cérebro tão pequeno, faz uma obra digna dum mestre
XimPi - sumiu
Bela - a aranha?
XimPi - ahhhhhhhhhhhhhhhhh
Bela - não
Bela - tá aqui
XimPi - pois
Bela - mas eu tenho um cérebro normal, mas que pensa
XimPi - mas sendo ulisses e tu penélope que não desfaz a manta teia, como poderia ulisses ser o príncipe encantado que despertaria a bela do seu longo e profundo adormecimento?
Bela - não com um beijo......
Bela - mas com inteligência
XimPi - mas tb não com a mordedura da serpente :-)
Bela - não, porque isso é para a cleópatra, que não entra no filme
Bela - e as cobras hipnotizam
XimPi - então pk ainda não apareceu o príncipe?
Bela - são básicos, não viajam no tempo
Bela - estão entretidos com as guerras dos deuses
Bela - e não reparam nas aranhas
XimPi - tens uma costela da esfinge?
Bela - e o enigma também
XimPi - qual é o teu enigma?
XimPi - o enigma que pões aos viajantes?
Bela - se te dissesse deixava de ser inigma!
Bela - enigma
XimPi - eu não te pedi a resposta mas sim a pergunta :-)
Bela - ou descobrem-me ou desistem por falta de inteligência
Bela - e são mordidos por cobras.......
Bela - porque falharam a aranha
XimPi - essa réplia tem a dimensão do universo
XimPi - e não tem resposta devido à brevidade da nossa passagem
XimPi - réplia=réplica
Bela - só tem, pra quem acha. Se tu achas....és capaz de descobrir a aranha.....
Bela - e eu sou capaz de desmanchar a toalha
Bela - e fico á tua espera
Bela - porque não quero
Bela - que sejas mordido por cobras......
XimPi - mando-te uma oferta
Bela - uma teia?
XimPi - pk pensas isso?
XimPi - é uma foto minha
XimPi - entenda-se
XimPi - uma foto tirada por mim
Bela - foi o que pensei
Bela - vou ver
XimPi - :-)


Bela - como vês não me enganei......
XimPi - e que dizes?
Bela - é linda, semeada de gotas de orvalho
XimPi - foi tirada no mindelo, ao amanhecer :-)
Bela - quem a tirou, tem alma de artista
Bela - vê beleza onde outros nada vêm.......
XimPi - quem a tirou fui eu
XimPi - faço foto para mim
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
Bela - desculpa, distraí-me a ver a teia
XimPi - ficaste presa? :-)
Bela - fiquei um pouco sim
Bela - por pouco, não me apanhavas
XimPi - ah ah ah
XimPi - serias uma presa fácil se te apanhasse apenas com uma foto :-)
Bela - nunca fui presa fácil
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - Nesta rodaXimPi - aldeia da vida
XimPi - Nesta rede de enganos
XimPi - Nesta teia de enleios
XimPi - Nesta cadeia em que estamos
XimPi - insípidos sombrios cinzentos
XimPi - buscamos
XimPi - mais ou menos
XimPi - enganados
XimPi - a suprema felicidade
XimPi - casa
XimPi - carro
XimPi - dinheiro
XimPi - mulher
XimPi - filhos um casalinho
XimPi - se possível
XimPi - lindo como dois sóis
XimPi - Resta
XimPi - nas minhas / nossas mãos
XimPi - a tua alegria e
XimPi - esta minha tímida e desajeitada
XimPi - companhia
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - Kant_O XimPi
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - Neste jogo de palavrasXimPi - e de gestos comedidos
XimPi - Aqui
XimPi - neste canto da cidade
XimPi - preso à roda do leme
XimPi - em sonhos
XimPi - que sonho em ti
XimPi - busco o passado que não fui
XimPi - no futuro que não serei
XimPi - .
XimPi - suspenso do teu andar
XimPi - .
XimPi - Arde-me o sangue nas veias
XimPi - neste fogo vento suão
XimPi - murmúrio do teu sorriso
XimPi - verde brisa na planura
XimPi - fresca do teu olhar
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - Kant_O XimPi
Bela - só podias ser poeta ulisses.....
XimPi - e tu, que fazes para além de ter terminado a teia?
Bela - .
Bela - .
Bela - .
Bela - Vi-teBela - sentado no chão
Bela - e senti o contacto da terra
Bela - da água do ar e do fogo
Bela - e no meio dos quatro elementos
Bela - .
Bela - Dancei
Bela - .
Bela - e dançamos juntos
Bela - a dança do ventre
Bela - ao som de tambores
Bela - e de mil odores
Bela - .
Bela - Sonhamos
Bela - .
Bela - e do ventre da terra
Bela - nasceram frutos e flores
Bela - fechamos os olhos
Bela - morremos de amores
Bela - .
Bela - renascemos
Bela - .
Bela - juntos, deitados no chão
Bela - lágrimas caíram de tanta emoção
Bela - comungando e sentindo
Bela - o despertar único da criação
Bela - .
Bela - .
Bela - Bela
XimPi - :-)
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - Recordo o que não houveXimPi - nem existiu e
XimPi - no entanto se tu viesses
XimPi - ah! se tu viesses
XimPi - o ar seria uma festa
XimPi - .
XimPi - Digo num murmúrio
XimPi - o teu nome e
XimPi - .
XimPi - Sigo
XimPi - com os lábios e os dedos
XimPi - os caminhos do teu corpo
XimPi - trigueiro sensual
XimPi - Buscando em cada curva
XimPi - uma ave liberta
XimPi - o canto duma rosa
XimPi - .
XimPi - Escrevo mil palavras
XimPi - mil gestos de ternura e
XimPi - Amo-te como quem ama a vida
XimPi - e o meu desejo e um campo de giestas
XimPi - uma águia inquieta
XimPi - um rumor sem sentido
XimPi - uma barca em botão
XimPi - .
XimPi - em busca do sol e do mar
XimPi - na dobadoira do tempo que passa
XimPi - .
XimPi - Às vezes penso que também tu me queres
XimPi - e comovo-me com a tua voz e o teu jeito de menina ...
XimPi - .
XimPi - Mas as palavras são entre nós uma girândola de silencio
XimPi - luz e cor
XimPi - .
XimPi - uma névoa em dia de sol
XimPi - .
XimPi - e retenho as mãos e os gestos
XimPi - sem que as águias sôfregas
XimPi - possam buscar em nós a liberdade!
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - Victor Manuel
Bela - :)
XimPi - e como é a tua teia?
XimPi - já a fotografaste?
Bela - não
Bela - tá em mim apenas
Bela - é bela, por ser simples....
Bela - por não querer apanhar incautas criaturinhas
Bela - mas apenas as que podem perceber que uma aranha também tem alma
XimPi - e aqui aparecem muitos galifões de crista emproada?:-)
Bela - a esses o meu olhar mais mordaz.....
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - Sedento nas tuas mãos esguias e belas
XimPi - aqui
XimPi - na estrada da vida
XimPi - à beira do caminho
XimPi - de pé nesta tarde de verão
XimPi - louco pássaro
XimPi - de asas partidas
XimPi - busco a carícia do sorriso
XimPi - o quente murmúrio da voz
XimPi - o frémito das nossas mãos
XimPi - o suave perfume do corpo apetecido
XimPi - turbilhão incandescente sufocante
XimPi - rio mar profundo
XimPi - sigo com os dedos e os lábios o teu contorno
XimPi - aqui os olhos a boca o lóbulo das orelhas
XimPi - o andar decidido
XimPi - os seios pequenos e firmes
XimPi - além a ondulante seara
XimPi - a curva suave
XimPi - o moreno vale
XimPi - fresco límpido agridoce refrigério
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - Victor Manuel
XimPi - ah, uma ranha bondosa mas mordaz :-)
XimPi - aranha
Bela - mordaz, para os que pensam que aqui só andam cobras.....
Bela - não pra ti...
XimPi - e como será o teu sorriso para comigo?
Bela - é meigo, suave, carinhoso
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - Sorriste eXimPi - na tua voz
XimPi - os pássaros vieram de longe
XimPi - pensando que era madrugada!
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - Victor Manuel
Bela - :)
Bela - e as formigas agradecem, porque não as piso
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - Todo o dia esperei por tiXimPi - alinhando o tempo em banho-maria
XimPi - num fervilhar lento e calmo
XimPi - submergindo a ebulição do meu sentir e pensar
XimPi - Todo o dia tratei dos meus assuntos
XimPi - paguei as contas
XimPi - comprei livros
XimPi - passeei pela cidade
XimPi - temperei os bifes e trouxe o gelado
XimPi - Todo o dia guardei em mim as mil-palavras
XimPi - expressão do meu sentir que tão bem conheces
XimPi - sem volta na ponta
XimPi - talvez maçadoras
XimPi - Todo o dia estive contigo
XimPi - retraindo o impulso de beijar os teus lábios
XimPi - de afagar o teu rosto e cabelos
XimPi - Todo o dia refreei a minha impaciência de subir ao Sol e á Lua e cobri-los de estrelas
XimPi - Todo o dia estive nas tuas mãos
XimPi - frágil como ave inquieta ou cana agitada pela brisa
XimPi - sem a fortaleza de saber que me queres
XimPi - Todo o dia não permiti entusiasmar-me com a tua vinda
XimPi - Todo o dia contei em silêncio os minutos
XimPi - e as horas passaram lentamente
XimPi - até ao teu telefonema
XimPi - à tua voz triste
XimPi - às palavras que não dissemos
XimPi - à inquietação e desassossego que ficaram em mim
XimPi - Todo o dia esperei por ti e dói-me a tua ausência!
XimPi -
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - Victor Manuel
XimPi - uma ranha bondosa que poupa as formigas :-)
XimPi - aranha
Bela - todo o dia corri pra ti, evitando pisar as formigas
XimPi - :-)
XimPi - donde teclas?
Bela - mas demorei, para não as pisar, daí só ter chegado agora
Bela - mas sabia que estavas à minha espera, numa curva do caminho....
XimPi - não sabes onde me encontro :-)
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - Trago dentro de mim a tua imagem
XimPi - feita de corpo inteiro
XimPi - e sigo pelo mundo
XimPi - em busca do teu nome
XimPi - Ninguém é como veramente sonho
XimPi - e o que tenho são pedaços
XimPi - daquilo que imaginei
XimPi - o canto duma ave liberta
XimPi - um sorriso
XimPi - um olhar
XimPi - uma lágrima
XimPi - uma palavra
XimPi - uma peça aqui
XimPi - um bocado além
XimPi - o travo cinzento
XimPi - do que se não tem ou alcança
XimPi - impetuoso
XimPi - nas noites sem máscara
XimPi - nem muralha
XimPi - quando é certo que o Rei de Pasárgada
XimPi - não existe.
XimPi - A felicidade não tem história
XimPi - todo o tempo é breve para vivê-la ou saboreá-la
XimPi - Sigo pela estrada
XimPi - lutando e construindo
XimPi - Ás vezes alinho o teu nome
XimPi - de felicidade e alegria
XimPi - mesmo contida no meio
XimPi - de alíneas e parágrafos
XimPi - e encontro den
XimPi - e encontro dentro de mim
XimPi - o murmúrio da brisa a cantar
XimPi - flores barcos estrelas ou aves altaneiras
XimPi - a sedução
XimPi - do Mar do Sol duma Papoila do Trigo em Flor
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - VM
Bela - acabamos sempre por nos encontrarmos mil desencontros da vida......
Bela - eu esperava por ti....
XimPi - achas?
XimPi - como sabias que eu existia?
Bela - perguntando ao vento , como serias
Bela - e o vento respondia
Bela - não tenhas pressas
Bela - só não pises as formigas
XimPi - de ulisses passei a formiga L
XimPi - mas donde teclas?
Bela - um dia ele aparece na brisa
Bela - no orvalho da manhã
Bela - na espuma da onda
XimPi - tu brincas?
Bela - num mar bem perto de ti
XimPi - no alto da madrugada?
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - O que amo em ti é a vidaXimPi - são os campos, as encostas verdejantes
XimPi - a cidade, os carros que passam
XimPi - os animais, as plantas e as árvores
XimPi - as montras iluminadas e coloridas
XimPi - a chuva na vidraça ou no rosto
XimPi - o sol, o mar, a brisa
XimPi - o cheiro a maresia
XimPi - o perfume das flores
XimPi - .
XimPi - O que amo em ti é
XimPi - a verdade
XimPi - a ternura amor que entre nós é
XimPi - a camaradagem
XimPi - o andar que percorre o corpo
XimPi - sem segredos nem esconderijos
XimPi - a novidade aventura
XimPi - o frémito, o prazer, a paz
XimPi - .
XimPi - Somos milhares somos milhões
XimPi - pelas estradas e pelos atalhos
XimPi - pelos campos e pelos pinhais
XimPi - pelas ruas e pelos becos
XimPi - na cidade dos homens
XimPi - ombro a ombro
XimPi - frente a frente
XimPi - lado a lado
XimPi - desencontrados
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - VM
Bela - mas encontrados hoje
Bela - aqui
XimPi - mas ainda não me disseste donde teclas :-)
Bela - uma costa linda sobranceira ao mar
Bela - costa do sol
XimPi - eu moro no cimo duma encosta
XimPi - com um jardim lá em baixo
Bela - lindo
Bela - com flores azuis?
XimPi - e palela e o estuário do sado no horizonte visual
XimPi - o parque é de relva e árvores com um anfiteatro sem uso
XimPi - e palmela e o estuário ....
Bela - e linha de cascais e o mar
Bela - lá ao fundo o mar
XimPi - a linha de cascais vai pelo menos de algés a cascais :-)
Bela - que me abraça
Bela - que me me pede, traz-me a lua....
Bela - porque a amo e nunca nos encontramos
XimPi - a lua é uma ilusão
Bela - só posso beijar a sua face, quando se olha no espelho
XimPi - não tem água
XimPi - nem verdura nem pássaros a cantar
Bela - mas até o deserto tem encanto
Bela - depende dos olhos que o vêm
XimPi - desde que haja um oásis, uma bússola e um cantil com água :-)
Bela - :)
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - 1. Na tua mãoXimPi - bate estrangulado
XimPi - o meu coração.
XimPi - Preso no teu olhar
XimPi - bate suave
XimPi - muito leve
XimPi - com desejo de voar.
XimPi - Onde o riso e a palavra
XimPi - que o façam sossegar?
XimPi - .
XimPi - 2. Com os meu dedosXimPi - sigo lentamente o teu olhar
XimPi - Uma leve brisa agita o teu rosto
XimPi - e não sei bem se é um pássaro
XimPi - ou uma flor
XimPi - o sorriso que nasce nos teus lábios.
XimPi - Será noite
XimPi - ou uma criança a navegar?
XimPi - .
XimPi -
XimPi - 3. Nas minhas mãosXimPi - o dia escurece
XimPi - e não ouço nelas
XimPi - o calor da tua voz a cantar.
XimPi - Uma gota cai lentamente no
XimPi - [ horizonte
XimPi - E outra
XimPi - E outra
XimPi - E mais outra ...
XimPi - E as minhas palavras são
XimPi - um novelo em busca do mar!
XimPi - O teu rosto,
XimPi - o teu rosto é uma linha a navegar
XimPi - onde loucas gaivotas
XimPi - querem mergulhar.
XimPi - Quem as recolherá
XimPi - como um cristal a brilhar?
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - VM
Bela - dedicados a alguém....?
Bela - ou simplesmente víctor
XimPi - depois de escritos passam a universais
Bela - fugiste pelo canto......
XimPi - a memória fica no papel e o papel é o espelho de quem decifra as formigas que são as letras alinhadas
Bela - :)
Bela - quem és victor?
XimPi - ando aqui já há muitos anos
XimPi - encontrei duas ou três pessoas que eram como se fossem a penélope
XimPi - mas as penélopes fazem zapping com muita facilidade :-)
Bela - não eram autênticas.)
Bela - eram brasileiras
XimPi - não
Bela - não serás tu a fazer zapping?
XimPi - sabes o que é falar e pensarmos que estamos a falar com alguém com quem nos sentimos bem pk a conversa está em sintonia
XimPi - ?
XimPi - mas a minha filha diz que é como na vida real
XimPi - as pessoas são simpáticas
XimPi - mas seguem, a sua vida
XimPi - nós é que ficamos presos à janela entreaberta e àquilo que julgámos ver através dela
Bela - nem todas, eu sou extremamente antipática
Bela - tenho fama disso
XimPi - my godness
Bela - agressiva mesmo
Bela - achas que sou?
XimPi - se estás a ser antipática para comigo e agressiva, como serás para com ulisses?
Bela - só que a intuição disse-me que eras diferente
XimPi - ah ah ah
Bela - que daí estava uma alma muito parecida com a minha
XimPi - ã minha filha diz-me
XimPi - que não percebe como uma pessoa que escreve coisas tão lindas
XimPi - pode ser tão duro, frio, seco e distante :-)
Bela - mas nós sabemos que não és nada disso......
XimPi - conheces-me?
XimPi - já falámos antes?
Bela - és meigo, sonhador, frágil
XimPi - conheces-me?
XimPi - já falámos antes?
Bela - o resto, é máscara
Bela - que interessa se falamos, eu penso que nunca falei contigo
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - ELEGIA, SEM TI 8908.124 A.0 / 3.020
XimPi - .
XimPi - Um pesado silêncio invade a minha casa
XimPi - E tudo tem uma cor cinzenta e vazia
XimPi - De ilusões desvanecidas e sabor amargo
XimPi - A garganta seca e áspera.
XimPi - Olho em meu redor e vejo
XimPi - paredes e livros
XimPi - o gira-discos silencioso.
XimPi - Olho em meu redor e meto-me na mala partindo
XimPi - para lado nenhum;
XimPi - De súbito as estrelas apagaram-se
XimPi - E não há flores nem sol nem luar
XimPi - E nem uma levíssima brisa agita a folhagem.
XimPi - Os campos estão desertos
XimPi - E os rios calaram-se e não cantam
XimPi - Enquanto na cidade os homens caminham
XimPi - Silenciosos.
XimPi - .
XimPi - A tua voz e a tua presença são de novo distantes.
XimPi - E no entanto, Princesa,
XimPi - ainda ontem e nos dias anteriores
XimPi - Foste uma presença constante
XimPi - Com o teu sorriso e o teu jeito sedutores
XimPi - E as mil-vidas nascidas de manhã à noite
XimPi - Numa girândola de côr e vida.
XimPi - Respiramos então o mesmo ar
XimPi - E fui uma ave em teu redor
XimPi - Em busca do sol e do mar
XimPi - De mãos abertas e cara descoberta!
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - VM
Bela - e porque não partes?
Bela - porque te acomodas?
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - Liberdade!XimPi - a triste liberdade
XimPi - de nada poder fazer
XimPi - .
XimPi - onde o emprego?
XimPi - o salário?
XimPi - a casa?
XimPi - a família?
XimPi - o futuro?
XimPi - .
XimPi - Ausente a solidariedade
XimPi - sem amizade nem companhia
XimPi - neste vazio
XimPi - lentamente consumidos
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - LIBERDADEXimPi - .
XimPi - A felicidade tem o travo amargo
XimPi - de tudo aquilo que é finito
XimPi - e no entanto distingo
XimPi - por entre a multidão
XimPi - o teu rosto alegre e o teu ar sereno!
XimPi - Nas tuas mãos e nos teus dedos
XimPi - nasce uma criança
XimPi - que sorri e corre dentro de mim.
XimPi - Em silêncio junto as palavras
XimPi - percorro o teu corpo
XimPi - flexível e moreno.
XimPi - Um rio enche a casa com o murmúrio de mil candeias
XimPi - enquanto ouço e reconheço os teus passos.
XimPi - Rio, choro e bailo contigo
XimPi - quando assomas à porta e
XimPi - busco o veludo dos teus lábios e do teu rosto.
XimPi - Reparto contigo o pão sobre a mesa
XimPi - e bebemos o vinho da esperança.
XimPi - Tudo tem agora outra qualidade
XimPi - a qualidade do trigo em flor
XimPi - da brisa incandescente
XimPi - da sombra refrescante
XimPi - do sol sem ardor
XimPi - E no entanto
XimPi - para lá deste dia
XimPi - moram o medo, a fome e a solidão
XimPi - quando tu não estás.
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - VM
Bela - és um homem solitário
XimPi - e tu, pk não desfazes a teia?
Bela - a minha teia foi tecida com sofrimento
Bela - com lágrimas
Bela - e endurecida com desilusões
Bela - não sei se sou capaz de a desfazer
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - E no entanto
XimPi - para lá deste dia
XimPi - moram o medo, a fome e a solidão
XimPi - quando tu não estás.
XimPi - Erguer uma vez mais os diques
XimPi - Tapar os interstícios da muralha
XimPi - que rompeste impetuosamente
XimPi - Baixar lentamente a viseira
XimPi - Repor a máscara
XimPi - Impassível
XimPi - Numa pirueta
XimPi - Até que o coração pare
XimPi - E a serenidade regresse.
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - VM
XimPi - :-)
Bela - não reponhas a máscara
XimPi - pk?
Bela - pra mim a serenidade regressou
XimPi - a máscara me colou à pele :-)
Bela - deixa-me ajudar-te a soltá-la
XimPi - a máscara colou-se-me à pele :-)
Bela - desfaz tu a minha teia....
XimPi - e estou sozinho no meio da multidão
Bela - e eu sou uma ilha imensa
XimPi - não estou fechado na minha concha :-)
Bela - nem eu
Bela - só que não tenho o barco pró outro lado
XimPi - mas ainda não me respondeste donde teclas
Bela - já
XimPi - de algés a cascais vão 20 km
Bela - teclo de (..)
XimPi - ah
Bela - e tu?
XimPi - cascais conheço
XimPi - (,,,) só de passagem
Bela - e tu?
XimPi - vou por vezes comprar livros a um alfarrabista em cascais
Bela - eu sei onde é
Bela - moras em setúbal?
XimPi - o dono é um velhote magro com ar british e delicado :-)
XimPi - e a cave uma babilónia :-)
Bela - uma livraria que tem uma cave?
Bela - isso
Bela - eu sei
XimPi - moro em setúbal
XimPi - mas nasci em angola
Bela - eu estudei aí
Bela - passava todos os dias no parque
XimPi - nasceste em 49 ou tens 49 anos?
Bela - tenho 50
XimPi - sou mais velhote :-)
Bela - tens quantos?
XimPi - 57
XimPi - és uma teenager
Bela - o teu espírito é de menino
Bela - o meu também
Bela - a criança em mim é muito viva
Bela - é traquinas
XimPi - depende
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - RAÍZESXimPi - ..
XimPi - "Maianga Maianga
XimPi - Bairro antigo e popular
XimPi - Da velha Luanda
XimPi - Com palmeiras ao luar ..."
XimPi - .
XimPi - ''A Praia do Bispo
XimPi - Cheiinha de graça
XimPi - De manha á noite
XimPi - sorri a quem passa ..."
XimPi -
XimPi - (das Marchas Populares em Luanda)
XimPi - .
XimPi - Longo era o bairro ao longo da marginal
XimPi - Longo era o bairro do morro de S. Miguel ao morro da Samba
XimPi - Grande era o bairro e grandes as casas
XimPi - No meio o bairro operário e a igreja de S.Joaquim,
XimPi - estreitas as ruas, pequenas as casas.
XimPi - ..
XimPi - Nas traseiras, o morro,
XimPi - no alto o Palácio,
XimPi - Na frente a larga avenida,
XimPi - o paredão, as palmeiras e os coqueiros
XimPi - a praia que já não era do Bispo
XimPi - mas das pedras, dos limos e dos detritos.
XimPi - .
XimPi - Mais além a ilha que era península
XimPi - com a sanzala dos pescadores
XimPi - casas de colmo no areal
XimPi - da extensa e boa praia
XimPi - o mar sem fim.
XimPi - .
XimPi - Em Luanda nasci
XimPi - Em Luanda vivi
XimPi - Em Luanda estudei
XimPi - .
XimPi - Não Angola mas Portugal
XimPi - Todos os rios e afluentes
XimPi - Todas as linhas férreas e apeadeiros
XimPi - Todas as cidades e vilas
XimPi - Todos os reis e algumas batalhas
XimPi - as plantas e animais
XimPi - que não eram do meu país.
XimPi - .
XimPi - De Angola
XimPi - pouco sabiamos
XimPi - até ao 4 de Fevereiro, até ao 15 de Março
XimPi - Veio a guerra e
XimPi - a mentira
XimPi - que alimenta
XimPi - a Guerra,
XimPi - Veio a guerra e a violência
XimPi - veio a guerra e a liberdade.
XimPi - .
XimPi - Em Évora a 11 de Novembro
XimPi - Em Luanda a bandeira do meu país
XimPi - no mastro subiu.
XimPi - Era o tempo da liberdade e da esperança.
XimPi - .No Porto
XimPi - Em Lisboa
XimPi - Em Évora estudei
XimPi - Em Évora casei
XimPi - Em Évora vivi e nasceram o Rui e a Suzana.
XimPi - .
XimPi - Em Setúbal moro e no Barreiro trabalho
XimPi - .
XimPi - Perdidos os amigos,
XimPi - perdida a infância
XimPi - Estrangeiro sem raízes sou em Portugal.
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - VM
Bela - nunca esqueces......eu sei
XimPi - que sabes?
Bela - eu sinto tudo
XimPi - uma sensitiva?
Bela - sinto a tua alma, a tua solidão
Bela - a tua tristeza
Bela - a tua saudade
XimPi - :-)
Bela - eu não sou a Bela
Bela - sou A. R.
XimPi - sabes pk fiquei em setúbal e não fui para o porto donde é a família
XimPi - ?
XimPi - pk setúbal era o contraste com évora
XimPi - tinha buganvílias na 5 de outubro como em luanda
Bela - setúbal é mais angola
XimPi - e o estuário do sado parecia a baía de luanda
Bela - eu sei
Bela - o mar
XimPi - e porque tróia era a ilha do cabo, que tb ficava em frente à minha casa
Bela - eu sabia que era isso tudo que te prendia a setúbal
XimPi - e tinha as praias
Bela - eu gosto de setúbal também
XimPi - mas não gosto de setúbal
Bela - fica perto do montijo
Bela - onde nasci
Bela - casei há quase trinta anos
Bela - vim para aqui
Bela - divorciei-me
Bela - fiquei aqui
Bela - porque já não sei donde sou
XimPi - tem os defeitos das terras pequenas (a coscuvilhice) e das terras grandes (a solidão e o individualismo)
Bela - donde
Bela - mas eu adorava as noites de verão
XimPi - e nenhuma das virtudes das pequenas (a entreajuda e a solidariedade) ou das grandes (o passar desapercebido)
Bela - as fogueiras
Bela - as pessoas a apanhar o fresco na rua
Bela - na conversa
XimPi - setúbal está muito diferente de qd vim para cá
XimPi - ou eu tb estarei diferente :-)
Bela - também é verdade
Bela - mas eu não ligo, a coscuvilhice não me interessa
Bela - percebo as pessoas
Bela - ponho-me no lugar de quem nunca daqui saiu
XimPi - a última vez que fui à minha terra foi em 1973, nas férias
XimPi - e defronte do que foi a minha casa já não há mar
XimPi - foi tudo aterrado até à ilha defronte :-)
Bela - vives aí com a família?
XimPi - o meu filho vive com a irmã
Bela - e tu?
Bela - vives só?
XimPi - a minha mãe está comigo porque teve um acidente e o meu pai ocupou-lhe a casa donde saíra há 16 anos
XimPi - estão a divorciar-se aos 83 anos
Bela - ?
XimPi - pk o ?
Bela - nunca ouvi um caso de divórcio com tanta idade!
XimPi - é uma história complicada e não me apetece falar dela :-)
Bela - claro
Bela - deixa
Bela - mas tu és casado?
XimPi - mas o resto da família ou vive em Paço de Arcos ou no Porto
XimPi - eu sou divorciado
XimPi - embora a mãe dos meus filhos entretanto já tenha morrido
XimPi - viúvo é o padrasto deles :-)
Bela - não sejas mauzinho.......
XimPi - pk?
Bela - pelo sorriso
XimPi - são uma ironia estes estados civis
XimPi - qd as pessoas se divorciam deviam regressar ao estado de solteiro
XimPi - foi só por isso que sorri
Bela - és uma pessoa bem-humorada
Bela - eu também sou e ainda bem
XimPi - dizem que sim
Bela - és de que signo?
XimPi - tb és bem-humorada?
Bela - sou
XimPi - ou antipática e ....
XimPi - ah ah ah
Bela - não, nunca fui antipática. Só aqui
XimPi - não acredito em signos
Bela - no irc
Bela - não gosto disto
Bela - eu também não
XimPi - mas podes oferecer-me ainda uma prenda
Bela - mas diz-me
XimPi - pois fiz 57 anos a 5 de janeiro :-)
Bela - não sei qual é
Bela - diz-me tu
XimPi - capricórnio
XimPi - e tu?
XimPi - qd fazes anos?
Bela - gémeos
Bela - faço em junho
XimPi - e pk Bela - nome bonito - em vez de A.R.?
Bela - porque sou A. R.,mas gostava mais de Bela.....:(
XimPi - ana tb é um nome bonito
XimPi - e suave
Bela - ana, sim
Bela - R. é agressivo
Bela - não condiz comigo
XimPi - victor é arrevesado embora ridente
XimPi - e para as pessoas de poucas letras
Bela - :)
XimPi - sou qualquer coisa como vitaro :-)
Bela - ahahahah
Bela - olá vitaro
XimPi - não me parece que sejas de poucas letras :-)
XimPi - embora talvez de letras
XimPi - letras
XimPi - ou letrada
Bela - sou uma pessoa simples, mas com uma alma de poeta
Bela - só isso
XimPi - que fazes?
Bela - olha
XimPi - estou olhando
Bela - fui emp. escritório muitos anos em lisboa
Bela - agora estou no fundo desemprego
Bela - e depois talvez
Bela - uma pré-reforma, sei lá
XimPi - e que fazes nos tempos livres?
Bela - leio, passeio junto ao mar, gosto de boa música, cinema
Bela - entretenho-me comigo, rio comigo, falo comigo
XimPi - ....
Bela - e falo contigo
XimPi - ah
Bela - pois muitas vezes venho aqui e nem falo
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - Perdidos os amigos,
XimPi - perdida a infância
XimPi - Estrangeiro sem raízes sou em Portugal.
XimPi - sorry
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - Um dia tu virásXimPi - Enchendo o ar de coralegria
XimPi - E o meu riso terá a cor do mar
XimPi - Liberto em tua cantoria
XimPi - .
XimPi - Um dia tu virás
XimPi - E sentirei a tua pele macia
XimPi - O ardor do teu andar
XimPi - Com nenhuma apatia
XimPi - .
XimPi - Um dia tu virás
XimPi - E os dias cheios de fantasia
XimPi - Como água a navegar
XimPi - Preso na magia
XimPi - .
XimPi - Um dia tu virás
XimPi - E seremos um rio ao luar
XimPi - ave desperta
XimPi - rosa aberta
XimPi - No calor do teu olhar
XimPi - .
XimPi - Um dia tu virás
XimPi - Um dia ...
XimPi - .
XimPi - Setubal, 1989.11.06
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - não estás em qualquer canal
XimPi - como me descobriste?
Bela - foste tu que me descobriste. já não te lembras?
XimPi - ah
XimPi - estavas num canal
Bela - depois desliguei-me do canal
Bela - pra falar contigo
XimPi - no canal dos solitários ou dos "engates" não me leves a mal
Bela - engates nunca
XimPi - foi por lá que comecei há muitos anos
XimPi - deves perceber o que eu queria dizer
XimPi - e foi lá que apanhei algumas desilusões
Bela - isto aqui não presta amigo
XimPi - isto aqui é quase tudo zapping
XimPi - tenho algumas amigas que arranjei aqui
XimPi - ou tu tb não prestas?
XimPi - ou eu tb não presto?
Bela - fica ao teu critério
XimPi - fiz duas perguntas para evitar mal entendidos
XimPi - reparaste?
Bela - achas que o meu estilo de conversa interessa a quem anda aqui?
XimPi - tb estou aqui
XimPi - :-)
Bela - por isso falei contigo
Bela - não dou pérolas a porcos......
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - VERAMENTE VEROXimPi - .
XimPi - Os dias vão correndo
XimPi - e a esperança é uma máscara
XimPi - petrificada
XimPi - com o vago sorriso
XimPi - transformado em deserto
XimPi - suspenso de mil passos
XimPi - prosseguindo seu destino
XimPi - (in)certo.
XimPi - A casa está vazia e a mesa quebrada
XimPi - num fervilhar lento e calmo!
XimPi - Fecho a claridade que não é minha
XimPi - e meto-me silenciosamente
XimPi - em mim
XimPi - envolto nas espiras da música em crescendo.
XimPi - É na casa ao lado que batem à porta.
XimPi - É no outro telefone que a campainha toca.
XimPi - É na outra caixa que o correio cai
XimPi - É com outrem que se busca a companhia
XimPi - para o café ou
XimPi - ao fim do dia.
XimPi - Para mim ficam os livros
XimPi - o carro
XimPi - as fotografias
XimPi - os filmes e as séries televisivas!
XimPi - Rio-me e o riso fica à flor da pele!
XimPi - Procuro e o encontro não passa por aqui!
XimPi - Projecto trabalhando com bolas de sabão!
XimPi - .
XimPi - Nenhuma criança corre dentro de mim.
XimPi - Minuto a minuto perde a vida o sentido.
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - VM
Bela - um poema que retrata bem o que vai em ti
XimPi - uma pessoa directa e por vezes avessa à diplomacia :-)
Bela - já não acreditas....ou sonharás ainda
XimPi - não imPi> isto aqui é quase acredito nem me permito sonhar
Bela - isso é mau
Bela - eu sonho ainda
XimPi - ainda não apareceu a Pilar
XimPi - da minha vida
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - VOU-ME EMBORA, VOU PARTIRXimPi - .
XimPi - Vou-me embora, vou partir
XimPi - e rio de mim
XimPi - perdidamente.
XimPi - Rio-me dos meus enganos
XimPi - das histórias feitas nas nuvens
XimPi - dos castelos construídos na areia
XimPi - das viseiras caídas e das máscaras esfarrapadas
XimPi - dos sentimentos supostos em ti
XimPi - feitos dos farrapos das ilusões
XimPi - dos (des)encantos
XimPi - da liberdade que amo e procuro
XimPi - da solidão que dói na madrugada
XimPi - do silêncio que me envolve
XimPi - dos amigos que me não procuram
XimPi - das amizades como chuva
XimPi - escorrendo pela gabardina
XimPi - impermeabilizada
XimPi - Retomo as alíneas e parágrafos
XimPi - e jogo fora as palavras com duplo sentido
XimPi - como brisa, bosque, maresia, sol, luar, estrelas
XimPi - e outras mil que tais.
XimPi - Vou-me embora, vou partir
XimPi - Rindo-me perdida e
XimPi - amargamente de mim
XimPi - .
XimPi - Porque dói sentir-me mendigo e
XimPi - Amo a liberdade, mesmo que seja um punhal cravado no meu peito.
XimPi - Setúbal
XimPi - 1989.08.29
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - vm
Bela - tu nunca serás esse mendigo
Bela - tu és bonito
Bela - muito bonito
XimPi - era bonito e fotogénico qd menino
XimPi - agora não gosto de me ver ao espelho :-)
Bela - olha pra dentro
XimPi - nem de ser fotografado
Bela - a verdadeira beleza não se vê
Bela - ao espelho
Bela - vê-te do outro lado do espelho
Bela - e verás o que eu vejo
Bela - o que fazias na vida?
XimPi - e que vês, ana?
Bela - um homem traído sim, mas si mesmo
Bela - por
Bela - porque deixou de acreditar
Bela - que é lindo
Bela - que sufocou de tanto esperar
XimPi - sabes qual o meu outro nick?
Bela - não
XimPi - Kant_O
Bela - esse nick já clikou pra mim
XimPi - ?
Bela - mas nunca falei
XimPi - há vários semelhantes
Bela - eu lembro-me desse, poderá não ser
XimPi - algumas amizades foi pk pensavam que eu era o Kant ou o Kantor
Bela - foi a forma como começamos hoje a conversa que me convenceu
XimPi -´mas Kant_O sou eu, pk está registado
Bela - que eras diferente
XimPi - e que terei dito da outra vez?
Bela - o Kantor já falei com ele
Bela - é um poeta também
Bela - mas snob
Bela - não gosto do estilo
Bela - é um homem do porto
Bela - muito mais velho que tu
XimPi - mas acho que foi com o Kant que me confundiram várias vezes
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi -
XimPi - AUTO RETRATO EM PASSATEMPOXimPi - Com nariz grande, olhar estrelado,
XimPi - Baixo, cabelo negro, ondulado,
XimPi - Magro, moreno, mui desajeitado,
XimPi - Nada ou p'la vida sempre perdoado.
XimPi - .
XimPi - Buscando amizade, mau achado,
XimPi - Agindo calma ou mui despeitado,
XimPi - O êxito logrou, mal torneado,
XimPi - Com persistência e pouco alegrado.
XimPi - .
XimPi - Tolerante, mas não libertário,
XimPi - Conduzindo, longe da multidão,
XimPi - Na vida procurando liberdade.
XimPi - .
XimPi - Em tudo mal, buscando seu contrário,
XimPi - Com ar sério ou risonha feição,
XimPi - Mal sente, co'a razão, felicidade.
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - .
XimPi - VM
XimPi - mas só eu é que falo :-)
XimPi - sorry
XimPi - mas perguntaste o que faço sem ser nos tempos livres?
Bela - sim
XimPi - sou sociólogo
XimPi - trabalho numa câmara
XimPi - e tb sou sindicalista
XimPi - mas hoje nada do que faço me agrada
Bela - ?
XimPi - ~?
Bela - porque será?
Bela - que nada te agrada?
XimPi - um dioa saberás
XimPi - dia
XimPi - se for caso disso
XimPi - eu disse
XimPi - nada do que faço profissionalmente ou como sindicalista
Bela - nada do que fazes, penso que inclui as duas coisas
XimPi - mas faço outras coisas
XimPi - laio viajo gosto de teatro mas há anos que não vou
XimPi - gostei de cinema mas há anos que me fico pelo vídeo ou pelos filmes da tv
XimPi - laio=leio
XimPi - viajo
XimPi - ando a pé pelas cidades, vilas e aldeias de portugal
XimPi - faço turismo cá dentro :-)
Bela - :)
XimPi - faço fotografia
Bela - eu também faço turismo cá dentro
Bela - adoro ler
XimPi - mas não vens à margem sul :-)
Bela - gosto dum bom filme
XimPi - :-)
Bela - de música clássica de preferência
Bela - mas oiço carreras
Bela - puccini
XimPi - uma moça prendada
Bela - como ouço martinho da vila também
Bela - gosto do meu canto
Bela - saio pouco
Bela - tirei agora a carta
XimPi - n
XimPi - não sei quem é o martinho da vila :-)
Bela - ainda me aventuro muito pouco
XimPi - mas canto é a tua "gruta" ou cantas?
Bela - brasileiro
Bela - é a minha gruta
Bela - gosto de mim. sabes
XimPi - podia ser gostares de cantar
XimPi - :-)
Bela - gostar gosto, mas....as formigas assustam-se....:)
XimPi - ah ah ha
Bela - sou uma pessoa calma
Bela - directa
XimPi - o meu irmão atirava-me todos os sapatos à cabeça qd eu começava a cantar
Bela - :)
XimPi - de modo que só canto debaixo do chuveiro ou no carro qd sózinho :-)
Bela - mas podes cantar, eu ouço daqui
Bela - e prometo que os sapatos ficam quietinhos
XimPi - uma foto de setúbal
XimPi - nasceste aqui?
Bela - e tua, não tens?
Bela - gostava de te ver
XimPi - troca por troca?
Bela - eu não tenho scaner
XimPi - aliás já te mandei um auto retrato, ana
XimPi - ah ah ah
Bela - esse eu já conhecia
XimPi - ainda deves ser do tempo dos envelopes
XimPi - que se fecam com cola ou saliva
Bela - agora quero ver o postal, que pouco interessa é verdade, apenas os olhos são fundamentais
XimPi - e se estampilham depois de convenientemente endereçados :-)
XimPi - fecam=fecham
XimPi - qual postal?
Bela - a foto claro
XimPi - com que idade?
Bela - se não queres a minha opinião duma de agora
Bela - envia uma qualquer
Bela - não brinques, eu pedi pra ver os olhos.....:)
Kant_O - vá lá, houve quem quisesse ver as minhas mãos
Kant_O - caiu a chamada
Kant_O - daqui fala XimPi
Kant_O - A. R. sumiu
Bela - ouve, fiquei ali a falar sozinha de madrugada.....
Kant_O - com quem?
Bela - contigo claro
Kant_O - :-(
Kant_O - queres dar-me o teu mail?
Bela - dou
Bela - trocas?
Kant_O - (…)
Bela - (…)
Bela - obrigada
Kant_O - tens icq?
Bela - não
Kant_O - devias ter
Kant_O - é mais fácil deixar msg :-)
Bela - não falo com quase ninguém, como te disse no inicio
Kant_O - já recebeste os olhos aos 30 anos?
Bela - e já respondi
Kant_O - deve ter sido para o vazio :-)
Bela - naquele tempo eram expressivos, alegres
Bela - ainda sonhavam
Bela - tinhas quantos anos aqui?
Kant_O - 52?
Bela - pareces mais novo
Bela - mas gostava de ver os olhos de frente
Bela - tás de bibe não tarda!
Kant_O - nesta tinha 15 anos
Bela - ok
Kant_O - :-(
Bela - queria ver os teus olhos agora
Kant_O - ela pode estar ao meu lado
Kant_O - ela saberá quem sou
Kant_O - mas eu não saberei que é ele :-(
Kant_O - ela
Bela - :)
Bela - eu envio-te uma única que tenho aqui digitalizada
Kant_O - aguardo :-)
Kant_O - como vês, estou muito diferente
Bela - nunca enviei a ninguém, com um certo receio, não sei bem de quê
Kant_O - embora continue mui sorridente
Kant_O - mas não nas fotos
Kant_O - rio sobretudo com os olhos
Kant_O - e com os lábios é conforme o momento
Bela - a diferença é grande.......
Kant_O - desde o aberto até ao trocista passando pelo irónico
Bela - os olhos estão tristes
Kant_O - bem, ana
Kant_O - sabes que horas são?
Bela - ali não sonhas já
Bela - I Know
Kant_O - não me permito sonhar
Kant_O - todo eu sou cansaço
Kant_O - um corpo preso por arames
Bela - caramba, levanta a cabeça
Kant_O - ah ah ah
Kant_O - impositiva?
Bela - o caminho faz-se ao andar
Kant_O - uma cara bonita mas um sorriso triste
Bela - é.......
Bela - mas só nessa foto
Bela - também detesto fotos
Kant_O - e uns lábios bonitos, que não são uma linha cortante como os meus actualmente :-)
Kant_O - isso é pk não sou o teu fotógrafo :-)
Bela - mas volta a acreditar, por favor
Bela - e eu deixo que me tires fotos......:)
Kant_O - em que volto a acreditar?
Bela - na vida, nas pessoas, no amor
Kant_O - ?
Kant_O - voltaremos a encontrarmo-nos?
Bela - claro, porque não
Kant_O - como?
Bela - eu venho aqui há noite
Bela - como?
Bela - com um novo nick
Bela - (,,,)
Bela - :)
Kant_O - eu dou-te o meu telefone e tu o teu?
Bela - pode ser
Kant_O - (…)
Kant_O - não tenho telemóvel :-)
Bela - ?
Bela - não?
Kant_O - não
Bela - és contra
Bela - ou do contra?
Kant_O - ninguém acredita mas é verdade
Bela - ou não queres ser encontrado?
Kant_O - tenho voice mail
Bela - (…)
Kant_O - e as cabines na rua qd não estou em casa ou no emprego :-)
Kant_O - ok
Kant_O - :-)
Bela - então xau
Bela - victor que não acredita.....
Bela - que se acredita...
Bela - a vida muda....
Kant_O - que despedida tão rápida :-)
Bela - e o victor
Bela - não quer mudar....
Kant_O - podes telefonar-me a desejar bons sonhos :-)
Bela - mas sai muito caro victor
Bela - o teu é telef. fixo
Kant_O - então telefono eu?
Bela - se queres podes
Kant_O - então espera
Kant_O - ciao
Kant_O - mil e bons son(n)os -
Kant_O - **** mil e bons son(n)os
.
Session Close: Fri Feb 07 06:37:14 2003
,
Nota . O nick e o apelido da minha interlocutora não correspondem à realidade.  Falámos muitas vezes no mIRC e ao telefone mas a vida fez com nos não encontrássemos pessoalmente.  Um dia escreveu-me e a todas as amizades dizendo que encontrara o homem da sua vida. Respondi-lhe desejando-lhe as maiores felicidades.
Muitos anos depois telefonei-lhe,  reconheceu de imediato a minha voz, ficou contente, disse-me que casara com um homem que afinal lhe cortara a liberdade e que deixara de ser ela - ela que logo de início me desvendara por detrás das minhas máscaras e acabara por não reconhecer quem a negaria (aquele a quem se ligara) e pediu-me que lhe não voltasse a ligar apesar da alegria que tivera ao ouvir-me. 
Respondi-lhe que quando resolvesse sair do convento em que a haviam confinado me procurasse e que se eu estivesse livre nos encontraríamos seguramente.

sábado, 25 de agosto de 2007

Diálogos perdidos nas brumas do tempo e da memória !

1. - Olá Victor Manuel! Peguei nas 4 folhinhas impressas e estiquei me no sofá. Li e reli....saboreei aquele partilhar...aqueles pedacinhos de vida, descritos de uma tal forma que, por momentos, julguei vivê-los também. Deixei-me vagueear... e dei comigo , cerca das 4 h da manhã, ainda deitada no sofá, com as mesmas 4 folhinhas entre as mãos...tinha adormecido sem me dar conta! Estava cansada.Na realidade a net cansa, obriga-nos a um esforço, como quando pretendemos ver algo que está longe.. e a nossa vista alcança mal. E penso que este cansaço advém do facto de lidarmos com emoções "reais", usando um meio"virtual", que é inadequado. Sei que é impossível espreitar para lá do ecran, mas cedo sempre á tentação de o fazer, sobretudo quando pressinto que, para lá das areias, está um oásis. Dormi mal, ao contrário do que é habitual em mim. Senti que me faltava qualquer coisa,tal como acontece quando, com um "buraquinho no estomago" teimamos em dormir. Acabei de acordar... Ainda tenho as ideias um pouco "baralhadas", mas decidi responder-te já, ao "correr da tecla", sem preocupações de tratamento estético da escrita :))))))) Fiquei deliciada com as fotos...todas lindíssimas, mas a da árvore prendeu-me sobretudo pelo movimento do tronco. A foto das " farramentas" também seria digna de aparecer no "Portugal no seu melhor". De todas elas, há qualquer coisa de bonito a dizer, e o que apetecia mesmo, era falar delas contigo, de olhos nos olhos...(de novo a terrível limitação da net!). Dos poeminhas que escolheste, acertaste em cheio num dos meus preferidos- "acordou-me um rumor de ave". Quanto á possibilidade de nos telefonarmos, não é meu habito trocar telefones facilmente, mas, vou, tal como aconteceu quando falámos a primeira vez, deixar-me guiar pela minha intuição e não pela razão e aqui fica o nº do móvel : (...) Podes telefonar quando quiseres. :))))))))) Junto também um "miminho" fotográfico para ti ( eu não sei nada de fotografia, mas faço muito e, de vez em quando, lá consigo captar qualquer coisa bonita!) Aqui, na minha sala dos livros, são 11.34 h... vou enviar o mail, e espreitar um bocadinho no IRC e na web, até cerca do meio dia. Depois, será o duche e a preparação das costeletas panadas com arroz de coentros e uma saladinha de alface. Pode ser que ainda nos encontremos por cá, mas, se isso não acontecer, ponho em ti a responsabilidade de me dizeres " olá" :))))))) Um jiiiinhooooo Xys.

.
2. - Olá, Xys

.

O que me encanta em ti é essa tua espontaneidade, esse teu seguir o 1º impulso; eu sou mais reservado.
.


Fiquei comovido com a tua"mensagem". Afinal sempre adormeceste no divã, com música, o silêncio ou o zumbido tracejante da TV. O texto era tão lindo! Gostei da fotografia. Gosto muito dos efeitos das núvens, em dias límpidos de céu azul ou debruados de laranja ou plenos do vermelho vivo do nascer ou do pôr do sol.

.
Queres ter uma ideia de quem está do outro lado, à beira rio? Olha, sou muito sorridente e nunca sorrio a meia haste. Rio com todo o rosto, sobretudo com os olhos. Dizem-me que tenho uma atitude acolhedora, mas que estabeleço uma barreira para além da qual não dou à vontade para as pessoas penetrarem. A minha filha emociona-se com os meus escritos, mas vai-me perguntando em desabafo como pode uma pessoa ser por vezes tão dura, distante e racionalista. uma pessoa que escreve tão bem coisas tão lindas Tanto escrevo por metáforas e jogando com as palavras como escrevo com a secura objectiva de palavras unívocas de artigos, alíneas e parágrafos encadeados uns nos outros, tanto quanto possível sem segundos sentidos. Para além disso rio-me de mim mesmo, procuro dar a volta por cima, tenho um sentido de humor ou de ironia por vezes cortante mas sem maldade, e, embora há muito tenha perdido a inocência ainda continuo a ser ingénuo.
.
Acredito sempre na "bondade" dos outros até que me provem o contrário. Não esqueço as "ofensas" e as mágoas, mas não fico enredado e preso nelas, porque para mim, em princípio, nada é preto ou branco. Há vários olhares para entender o que se passa, perspectivas variadas, cada uma com a sua verdade, que nunca é só uma e muito menos sempre a minha. O sol nasce todos os dias para mim e para ti, mas indepentemente de nós. Quanto à vida, não a considero uma tragédia ou um combate, mas sim um jogo jogado em vários tabuleiros simultaneamente: ganhamos nuns e perdemos noutros: o saldo depende de nós e da nossa atenção e inteligência.
.
Não prego rasteiras a quem quer que seja e deito a mão a alguém que tropece no cimo das escadas, para que não rebole por ali abaixo; mas se for um "inimigo" meu, não lhe pregando a rasteira, também não o agarro: o problema é dele!
.
Numa das paredes da cozinha tenho um "quadrinho" de "máximas": Se ... / abriu - feche / quebrou - conserte / deve - pague / levou - traga / prometeu - cumpra / sujou - limpe / pediu - devolva / [Se] não lhe diz respeito - não se meta! ao qual acrescentei "Que secura! / Fique / amor amizade ternura!".
.
(...)

Não tenho telemóvel - é útil mas serve ou para nos controlarem ou tirarem o sossego. Mas tenho telefone em casa; contudo não me perguntes os dias e as horas em que lá estou, porque por vezes, para não andar para cá e para lá, fico em casa de familiares em Paço de Arcos, onde moram os meus pais e tios. Aliás está muitas vezes inacessível porque o Rui à noite navega na Internet e é uma guerra para deixar o telefone livre. Aliás penso que o melhor é instalar um segundo telefone, pago por ele, para ele controlar o seu tempo de NET e para os amigos de longe. Mas não me esqueci pelo que anota: (...)

.
Bem, mas que grande e pesado testamento.
.
Bem, chegou a Susana e o almoço ainda está meio por fazer que o Rui como ajudante de cozinha é um cansaço, porque só vê música à frente dele, ouvindo ou dedilhando ensaísticamente na sua guitarra.
.
VM - 1999