Allfabetização

Este postal é - creio - uma fotografia retirada dum dos dois filmes que há dias vi sobre as campanhas de alfabetização, as tais em que eu gostaria de ter participado em Agosto último se ... Esta cena do filme era comovente: uma mulher que até aí não sabia comunicar por escrito, conseguir fazê-lo. A procura das sílabas, o gesto hesitante, o voltar atrás para corrigir ou desenhar melhor a letra !!! Deve ser bestial um tipo descobrir que sabe ler, não achas? (1974)

Escrevivendo e Photoandando

No verão de 1996 resolvi não ir de férias. Não tinha companhia nem dinheiro e não me apetecia ir para o Mindelo. "Fechado" em Setúbal, resolvi escrever um livro de viagens a partir dos meus postais ilustrados que reavera, escritos sobretudo para casa em Luanda ou para a mãe do Rui e da Susana. Finda esta tarefa, o tempo ainda disponível levou me a ler as cartas que reavera [à família] ou estavam em computador e rascunhos ou "abandonos" de outras para recolher mais material, quer para o livro de viagens, quer para outros, com diferente temática.

.

Depois, qual trabalho de Sísifo ou pena de Prometeu, a tarefa foi-se desenvolvendo, pois havia terras onde estivera e que não figuravam na minha produção epistolar. Vai daí, passei a pente fino as minhas fotografias e vários recorte, folhetos e livros de "viagens", para relembrar e assim escrever novas notas. Deste modo o meu "livro" foi crescendo, página sobre página. Pelas minhas fotografias descobri terras onde estivera e juraria a pés juntos que não, mas doutras apenas o nome figura na minha memória; o nome e nada mais. Disso dou por vezes conta nas linhas seguintes.

.

Mas não tendo sido os deuses do Olimpo a impor me este trabalho, é chegada a hora de lhe por termo. Doutras viagens darão conta edições refundidas ou novos livros, se para tal houver tempo e paciência.

VN

terça-feira, 28 de agosto de 2007

«Somos Livres» ?

* Victor Nogueira

A propósito dum post em Citizen Mary - http://citizenmary.blogspot.com/
.
A Blogosfera é como todas as invenções humanas: podem ser bem ou mal utilizadas e a boa ou má utilização dependem, no fundo, de critérios de classe, de cultura ou de religião. Mas o alcance da blogosfera, amigos, é limitada. De que servem os livros a um analfabeto ou se forem um conjunto de signos que não aprendemos ou não sabemos decifrar e, sobretudo, descodificar?
.
Nós, que utilizamos a internet, nós, que pensamos e queremos que seja um espaço de liberdade responsável, de aquisição ou trabsmissão do saber ou do conhecer, somos uns privilegiados, uma minoria no mundo. E somos uma minoria porque a esmagadora maioria não tem acesso à internet, a esmagadora maioria não sabe ler ou escrever. E mesmo que o saibam, expressam-se em múltiplos idiomas e signos diferentes que uns e outros não sabemos decifrar. Podem dizer-me que há os tradutores automáticos, mas quem já os experimentou sabe que o texto obtido é completamente incompreensível quando não anedótico.
.
Mas hoje há uma outra forma de censura, sofisticada, invisível. As grandes superfícies comercais e as livrarias tipo FNAC ou Bertrand controlam uma elevada quota do mercado e só publicam quem elas quiserem e, mesmo publicando, podem não publicitar a obra ou não colocá-la em escaparates. E se é verdade que a FNAC e a Bertrand ainda têm alguma diversidade de «mercadoria», o mesmo não sucede nas grandes superfícies comerciais, onde predomina a literatura «light» ou «esotérica» , de ler, esquecer e deitar no caixote do lixo, ou os livros e DVD's vendidos ao quilo, como se de um saco de batatas se tratasse. Para outra diversidade, restam os alfarrabistas ou as «feiras» do livro como as que se faziam (fazem?), por exemplo, no Mercado da Ribeira, em Lisboa, ali ao Cais do Sodré
.
O mesmo se passa com os cinemas,onde predomina esmagadoramente a filmografia norte americana, pouco diversificada.
.
Antes do 25 de Abril havia espaço para pequenas editoras, com maior variedade e diversidade editorial, os cinemas iam desde o «piolho» até grandes salas como o Coliseu, O Rivoli ou o Batalha, no Porto, ou o Monumental, o Eden, o Tivoli ou o Condes em Lisboa. E depois havia os Cine-Clubes. E mesmo nas pequenas vilas e cidades havia um cinema, a maioria hoje desactivados ou em ruínas. A programação era diversificada e de muitos países, com predominância para os países da Europa, e mesmo na TV era possível ver filmes doutros países, o que tb sucedeu após o 25 de Abril.
.
De modo algum estou a defender o fascismo ou a dizer que nele havia liberdade. Digo que apesar do visto da censura ou do exame prévio, apesar das apreensões e buscas da PVDE/PIDE/DGS, era possíver saber doutros países, doutras culturas. doutras formas de expressão. E hoje, sem censura, ela voltou de facto, porque a maioria do mercado está em meia dúzia de mãos dos senhores do dinheiro e as pequenas editoras, os raros cinemas alternativos, alguns recuperados pelos Municípios, estão extintos ou em vias de extinção, sobretudo fora das grandes cidades. E os senhores do dinheiro defendem o mundo deles, publicam aquilo que «distraia» ou descomprima a «adrenalina» e não aquilo que vá contra o «pensamento único, que ponha em causa a alienação de que a maioria está possuída, ou o poder de quem manda e de facto ordena.
.
Não talvez a maioria, ainda assim privilegiada que nós somos, mas a imensa maior maioria dos que têm fome no estômago e fome de justiça, dizimados pela doença, pela falta de cuidados médico-sanitários, por bombardeamentos dirigidos «cirúrgimente» mas com incontáveis danos colaterais.
.
Poderia dizer-se que a blogosfera tem muita gente, embora com objectivos diversificados. E mesmo aqueles que têm os mesmos objectivos, como se organizarão para tornar mais justa a sociedade diferente que é preciso construir?.

Um abraço a todos que acreditam, sem força porque dispersos ou desconhecendo-se, num outro mundo onde a humanidade não viva na opressão, na miséria, na vegetabilidade!

6 comentários:

Maria Faia disse...

Amigo Vitor,

Excente artigo este que publicas.
Muitas vezes tenho pensado nas questões que colocas e, de facto, a sociedade globalizada (económicamente) gerou gigantes económicos que, eles sim, governam e dominam. A falta de liberdade deixa, muitas vezes, de ter origem política...
Como dizes, e bem, "os senhores do dinheiro defendem o mundo deles, publicam aquilo que «distraia» ou descomprima a «adrenalina» e não aquilo que vá contra o «pensamento único, que ponha em causa a alienação de que a maioria está possuída, ou o poder de quem manda e de facto ordena".
O mesmo fazem os meios de comunicação social televisisa que, concentrados na "guerra" ou disputa das audiências, oferecem, sistematicamente, ao povo programas que em nada contribuem para a sua aculturação e desenvolvimento da sociedade. Fomenta-se, ao invés, o gosto pelas telenovelas, dão-se grandes destaques de vedetas às parvoeiras políticas mais absurdas...
Quanto à internet, usada como meio de difusão de valores humanistas, e socias e de luta contra as injustiças que grassam nas nossas comunidades, o meio torna-se muito limitado, atento a grande taxa de anafabetismo do nosso país e, consequentemente, a diminuta utilização deste importante meio de comunicação.
Mas, mesmo assim, nós resistimos e, com persistência, lá chegaremos.

Um abraço.

De Amor e de Terra disse...

Na minha opinião, tudo já foi dito e muito bem, pela Maria Faia;
pelo que subscrevo as suas palavras e as faço minhas.

Bj.

Maria Mamede

Ludovicus Rex disse...

Amigo, esta minoria que tem acesso à internet, temos esta 'arma' na mão. E a partir daqui podemos passar a palavras a outros que não têm esta possibilidade. A Blogosfera pode desempnhar um forte papel na divulgação e ensinamento das massas.
Este é um dos caminhos...

Um abraço

Victor Nogueira disse...

Maria (Cityzen Mary) disse...
_____________________
Vítor Nogueira, bom ponto. É justo que se tenha consciência que somos minoria privilegiada. Informação sempre foi sinal de poder, mesmo nós, ao escrever por aqui, temos tecto, comida, condições, sabemos ler e escrever, temos tecnologia ao alcance dos dedos. As condições em que vive a maior parte da humanidade são degradantes e a censura começa aí. De que nos queixamos, se a nós são dadas armas para lutar?

Compreendo também o ponto seguinte, não menos importante. O poder mudou de mãos, os critérios são outros, mas a manipulação a que somos sujeitos continua por aqui e a censura oculta (regresso à brilhante expressão dos sentidos obrigatórios...) não é menos grave que a que sofremos em tempos.

Como contornar? Aceitar o privilégio que nos é dado e usá-lo com responsabilidade. Ao divulgar conhecimento e informação desvinculada de interesses doentiamente filiados estaremos porventura a contribuir para a sua relativização.

Os caminhos vêm todos dar à liberdade de escolha. Para isso tem que se cultivar o direito à diversidade. Para isso escrevemos.

Muito obrigado pelas reflexões que faltavam por aqui. A pensar em tudo isto, no que nos condiciona, no que podemos fazer por todos nós. Talvez começar por trocar ideias, e lutar - leia-se agir - pelos direitos de todos os que estão, ainda hoje, afastados até destas questões porque as suas começam na subsistência.

Muito obrigado pela reflexão. Um abraço.
____________________
Reproduzido, com a devida vénia, das apreciações da Maria a cada dos muitos comentários colocados. Vale a pena ir lá, conhecer os outros e participar !

Afogando o Ganso disse...

Não sei você,
Entretanto tento ser e coexistir nessa situação. A liberade é utópica? Pode ser.
Mas a falta de perspectiva criada por nós para nos sentimos livres é que nos aprisiona.
De que adianta um livro para um analfabeto?
Então por que não ensiná-lo a ler?
Acredito que assim estamos criando uma forma de liberdade. Dando condição a alguém ser livre pelo conhecimento. Pois a ignorância é a maior das prisões.
Um grande abraço.

Li Araújo disse...

Caro Afogando o Ganso,
A liberdade é uma utopia sim, me diga onde está a liberdade de que tanto o homem procura? Não há liberdade mesmo educando, não deixam segundo Paulo Freire e Leonardo Boff...educar para libertar... mas estes homens continuam presos a um neo libealismo safado, que faz do homem prisioneiro dele mesmo e livro algum, blogosfera alguma trará esta liberdade. Olha o que está ocorrendo com a politicagem instalada neste país,com tantos blogs denunciando, fazendo chamadas para protestos em rua e que não resultam em nada. Só há uma liberdade, aquela que vem no pós-morte, aí sim o homem se liberta para sempre, sem auxílio de blogs ou livros.
Um abraço,
Eliana Araújo