Allfabetização

Este postal é - creio - uma fotografia retirada dum dos dois filmes que há dias vi sobre as campanhas de alfabetização, as tais em que eu gostaria de ter participado em Agosto último se ... Esta cena do filme era comovente: uma mulher que até aí não sabia comunicar por escrito, conseguir fazê-lo. A procura das sílabas, o gesto hesitante, o voltar atrás para corrigir ou desenhar melhor a letra !!! Deve ser bestial um tipo descobrir que sabe ler, não achas? (1974)

Escrevivendo e Photoandando

No verão de 1996 resolvi não ir de férias. Não tinha companhia nem dinheiro e não me apetecia ir para o Mindelo. "Fechado" em Setúbal, resolvi escrever um livro de viagens a partir dos meus postais ilustrados que reavera, escritos sobretudo para casa em Luanda ou para a mãe do Rui e da Susana. Finda esta tarefa, o tempo ainda disponível levou me a ler as cartas que reavera [à família] ou estavam em computador e rascunhos ou "abandonos" de outras para recolher mais material, quer para o livro de viagens, quer para outros, com diferente temática.

.

Depois, qual trabalho de Sísifo ou pena de Prometeu, a tarefa foi-se desenvolvendo, pois havia terras onde estivera e que não figuravam na minha produção epistolar. Vai daí, passei a pente fino as minhas fotografias e vários recorte, folhetos e livros de "viagens", para relembrar e assim escrever novas notas. Deste modo o meu "livro" foi crescendo, página sobre página. Pelas minhas fotografias descobri terras onde estivera e juraria a pés juntos que não, mas doutras apenas o nome figura na minha memória; o nome e nada mais. Disso dou por vezes conta nas linhas seguintes.

.

Mas não tendo sido os deuses do Olimpo a impor me este trabalho, é chegada a hora de lhe por termo. Doutras viagens darão conta edições refundidas ou novos livros, se para tal houver tempo e paciência.

VN

quinta-feira, 15 de novembro de 2018

Memórias em évoraburgomedieval



José Eliseu Pinto Onde raio estaria eu?
Gerir
Responder2 h
Victor Barroso Nogueira Ah! Na altura as fotos eram caras para o meu bolso de estudante e tenho poucas da minha estada por évoraburgomedieval e pelo Alentejo nos idos de '68 / '74. 

Pelo que até '75 a maioria são de uma ida com o Carlos Nunes da Ponte a Monsaraz, dum voo sobre évora com o Seruca Salgado e sobre a ocupação / desocupação do ISESE.

Doutro modo teria fotos históricas das minhas deambulações pelo Alentejo.

De '75 em diante, dos anos da brasa em Évora, tenho muitíssimo mais fotos.

Foi o inFaceLocked que escolheu esta foto com malta do Arcada que bem conheces.

Mas para lá disso, Zé Pinto, apesar da ausência e distância no espaço e no tempo, fazes parte da minha vida e isso é o que verdadeiramente importa.
Gerir
José Eliseu Pinto E estava lá, na maioria das vezes, apesar da míngua fotográfica. Abraço.
Gerir
Responder1 h
Victor Barroso Nogueira Essa foto faz parte duma série relativa a uma deambulação peripatética por Évora em que também participaram a Lídia e o Luís Tobias. Mas surges na minha correspondência com a Celeste, como se vê neste trecho:

«A malta do Arcada III - No Arcada o João [Garcia], a Filomena, o Camilo, o Zé Pinto, o Ribeiro, o "Chinês" e o irmão cantavam em coro desde as cantiguinhas da primária ("Ó Rosa, arredonda a saia", "Tia Anica de Loulé"...) às excursionistas ("Santa Catarina", "Rapsódia Portuguesa" ...) passando por cânticos gregorianos e pelos coros alentejanos e canções da Beira Baixa. Enfim, uma grande audição, no café cheio e entretido com outros assuntos.» (MCG - 1974.02.11) :-)

sábado, 27 de outubro de 2018

RAÍZES

5 de Janeiro de 2016



RAÍZES


............."Maianga Maianga
.............Bairro antigo e popular
.............Da velha Luanda
.............Com palmeiras ao luar ..."

.............''A Praia do Bispo
.............Cheiinha de graça
.............De manha á noite
.............Sorri a quem passa ..."


............(das Marchas Populares em Luanda)


Longo era o bairro ao longo da marginal
Longo era o bairro do morro de S. Miguel ao morro da Samba
Grande era o bairro e grandes as casas
No meio o bairro operário e a igreja de S.Joaquim,
estreitas as ruas, pequenas as casas.

Nas traseiras, o morro,
no alto o Palácio,
Na frente a larga avenida,
o paredão, as palmeiras e os coqueiros
a praia que já não era do Bispo
mas das pedras, dos limos e dos detritos.

Mais além a ilha que era península
com a sanzala dos pescadores
casas de colmo no areal
da extensa e boa praia
o mar sem fim.

Em Luanda nasci
Em Luanda vivi
Em Luanda estudei

Não Angola mas Portugal
Todos os rios e afluentes
Todas as linhas férreas e apeadeiros
Todas as cidades e vilas
Todos os reis e algumas batalhas
as plantas e animais
que não eram do meu país.

De Angola
pouco sabíamos
até ao 4 de Fevereiro, até ao 15 de Março
Veio a guerra e
....................a mentira
que alimenta
..................a Guerra,
Veio a guerra e a violência
veio a guerra e a liberdade.

Em Évora a 11 de Novembro
Em Luanda a bandeira do meu país
no mastro subiu.
Era o tempo da liberdade e da esperança.

No Porto
Em Lisboa
Em Évora estudei
Em Évora casei
Em Évora vivi e nasceram o Rui e a Susana.

Em Setúbal moro e no Barreiro trabalho

Perdidos os amigos,
perdida a infância
Estrangeiro ......sem raízes ......sou em Portugal.


1989



Cremilde Barreiros Excelente Mapa !

Gerir


Clara Roque Esteves Memórias de antanho. Recordar é viver. Parabéns, de novo.

Gerir


Elsa Santos linda fotografia. obrigada pela partilha

Gerir


Teresa Mercês de Mello Gostei muito, da fotografia e do texto. Beijinhos.

Gerir


Conceicao Oliveira · Amigos de Carmen Azevedo
Historia de vida emocionante! Mas sabe sou filha de emigrantrs e tambem aqui em Portugal se aprendia tudo de angola, mocambique ,tds os rios , etc...
Gerir


Victor Barroso Nogueira Maria Conceição Gomes Não há comparação. Em Portugal não se estudava a história de cada uma das colónias nem os camponeses brancos eram considerados selvagens a serem "civilizados" pelos Cristãos. Lá e na escola cantávamos as "cantiguinhas" das escolas portuguesas. A botânica e a zoologia falavam dos animais e plantas de Portugal, não daqueles de Angola ou Moçambique. Até o próprio ano lectivo era igual ao de Portugal, com aulas no pino do calor férias grandes na estação fria.

Gerir


Responder2 ano(s)Editado

Conceicao Oliveira · Amigos de Carmen Azevedo
Desculpe mas entendi mal ,eu sei muito bem o que passaram,pois digo que as amizades da minha adolescencia eram de angola
Gerir


Victor Barroso Nogueira Maria Conceicao Gomes Ah mas eu não me considero português mas sim angolano. E quem de facto sofreu durante séculos foram os meus patrícios de cor não "branca"

Gerir


Conceicao Oliveira · Amigos de Carmen Azevedo
Concordo

Gerir


São Banza · Amigos de Elisa Fardilha e 7 outras pessoas
Nunca estive em África Continental

Gerir


Carlos Peralta Bonita foto.

Gerir


Vânia Cairo Profundo e belo poema! Adorei-o , amigo!

Gerir


Elsa Santos A sua beleza como azul dos céus 'é das obras belas criadas por Deus.

Gerir


Elsa Santos Lindo. Posso levar? Já o fiz kikikkkkk

Gerir


Carlos Borges Pereira · Amigos de Maria José Fonseca
Demasiado profundo e angustiantemente verdadeiro. Sou Angolano e sinto o mesmo.

Gerir


Dario Barroso Silva no comento cheia á saudade
Gerir


Victor Barroso Nogueira Dario Barroso Silva ? Cheira a saudade. Não, não é um texto com cheiro a saudosismo, não é um texto que branqueie ou mitifique o passado.
Gerir


Responder2 ano(s)Editado

Adriano Sebastiao · Amigos de Coimbra Cortez
Gostei Muinto. Do Lindo Poema Cota. Quero Ser Comto.

Gerir


Jorge Santos Fontoura · Amigos de Maria Célia Correia Coelho
Revejo me neste poema 
Perdida a inocência e os amigos na guerras de Angola e na Maianga
Gerir


Responder20 min