Allfabetização

Este postal é - creio - uma fotografia retirada dum dos dois filmes que há dias vi sobre as campanhas de alfabetização, as tais em que eu gostaria de ter participado em Agosto último se ... Esta cena do filme era comovente: uma mulher que até aí não sabia comunicar por escrito, conseguir fazê-lo. A procura das sílabas, o gesto hesitante, o voltar atrás para corrigir ou desenhar melhor a letra !!! Deve ser bestial um tipo descobrir que sabe ler, não achas? (1974)

Escrevivendo e Photoandando

No verão de 1996 resolvi não ir de férias. Não tinha companhia nem dinheiro e não me apetecia ir para o Mindelo. "Fechado" em Setúbal, resolvi escrever um livro de viagens a partir dos meus postais ilustrados que reavera, escritos sobretudo para casa em Luanda ou para a mãe do Rui e da Susana. Finda esta tarefa, o tempo ainda disponível levou me a ler as cartas que reavera [à família] ou estavam em computador e rascunhos ou "abandonos" de outras para recolher mais material, quer para o livro de viagens, quer para outros, com diferente temática.

.

Depois, qual trabalho de Sísifo ou pena de Prometeu, a tarefa foi-se desenvolvendo, pois havia terras onde estivera e que não figuravam na minha produção epistolar. Vai daí, passei a pente fino as minhas fotografias e vários recorte, folhetos e livros de "viagens", para relembrar e assim escrever novas notas. Deste modo o meu "livro" foi crescendo, página sobre página. Pelas minhas fotografias descobri terras onde estivera e juraria a pés juntos que não, mas doutras apenas o nome figura na minha memória; o nome e nada mais. Disso dou por vezes conta nas linhas seguintes.

.

Mas não tendo sido os deuses do Olimpo a impor me este trabalho, é chegada a hora de lhe por termo. Doutras viagens darão conta edições refundidas ou novos livros, se para tal houver tempo e paciência.

VN

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Capitão Haddock, por Hergé







  • Viriato F. Soares Há bastantes anos li muitos livros de banda desenhada do TinTin!! 

  • Graca Maria Antunes Sempre senti uma grande simpatia pelo capitão Haddock...Bruto, mas verdadeiro...

  • Victor Nogueira Graca Maria Antunes Eu diria que o capitão Haddock tem o coração na boca e os nervos à flor da pele LOL Mas olha que apesar dos impropérios, ele é delicado, especialemente com a Castafiore 


  • Graca Maria Antunes Isso mesmo.A Castafiore, era o fraquinho dele.E gente que tem o coração na boca, merece-me toda a solidariedade...


  • Victor Nogueira olhe que não, olhe que não, menina Graca Maria Antunes digo eu com o saber de experiência feito e sofrida. Antes diplomatas e irónicos qb LOL
  • Maria João de Sousa Parece que a Castafiore é que não era lá muito delicada nas suas manifestações de afecto... obrigada,Victor Nogueira!
  • Victor Nogueira Como boa diva, Maria João De Sousa, a Castafiore era egocêntrica e não tinha a generosidade do Hadodck LOL Basta ver a sua pose e a do minorca do pianista 

  • Maria Lisete Almeida Adorava os livros do Tim Tim, e há muito poucos anos me separei deles ...
  • Arminda Griff Ainda hoje releio estes!

  • Victor Nogueira Este é o antepassado do Haddock que tinha sido agraciado com o castelo de Moulinsart ?
  • Arminda Griff yupyyyyyyyyy.........tu sabes! 

  • Victor Nogueira pos, sou um leitor de banda desenhada desde miúdo, desde o senhor doutor e o mosquito, que havia lá nem casa - eram do meu pai e do irmão - passando por muitos outros da minha geração LOL
  • Arminda Griff da tua geração? A minha será até decretarem meu óbito!
  • É o menino que subsiste sempre em cada um de nós ...
  • Victor Nogueira Em tempo, Arminda Griff Antigamente a banda desenhada era olhada de lado pelos intelectuais pelo que no ISESE, em évoraburgomedieval, eu sentava-me ostensivamente no poial da porta principal do instituto a ler ... o tintin 

  • Judite Faquinha E eu também Victor era um regalo apanha-los eu a dorava,falta o tim tim bjitos.
  • Mané Solnet Victor Nogueira, Não tenho comentado os teus posts sobre banda desenhada, mas eu digo-te porquê. Nem toda a gente tinha dinheiro para comprar banda desenhada ou revistas ou até livros. E numa aldeia não havia dessas coisas à venda, era preciso ir à cidade. Enfim... mas conheci o Tin Tin na minha infância. E tenho de contar... Em França, filha de emigrantes católicos, ia à catequese. O padre, de idade já bastante avançada e magrinho, era muito simpático e entendia as crianças. No final da catequese, abria a tela para vermos o filmeem super8. Todas as semanas, ao sábado, todas as crianças viam um filme do Tin Tin e o padre ia falando, fazendo observações sobre o que estávamos a ver. No final do filme havia um debate com uma conclusão. E esta???
  • Victor Nogueira Mané Solnet O Corto Maltese e o Tenente Blueberry só os conheci muito mais tarde, teria para aí 25 anos. O tintin já o conhecia em angola; o meu avô paterno enviava-me para Luanda o Cavaleiro Andante e o PimPamPum,este suplemento semanal dum jornal diário do Porto. Para além destes, havia os Gibis vindos do Brasil e o Mundo de Aventuras, para além dum suplemento infantil do diário Provincia de Angola, chamado Bambi. Ah ! tb lia o Camarada, revista da Mocidade Portuguesa.


    Pelo menos o Pe. poria as pesoas a pensarem LOL

    Em Évora havia sessões do Núcleo Juvenil de Cinema do Centro de Estudos e Animação Cultural, sedeado na Figueira da Foz, dum Padre Marques. No fim de cada sessão no Salão Central Eborense havia debate por ele animado, num sentido progressista, para análise do filme e das técnicas cinematográficas

    Havia um boletim redigido em évora para apresentação do filme do mês e durante um ano fui o redactor. Não guardei os boletins da minha responsabilidade, , salvo o que se referia à "Súbita Riqueza dos Camponeses Pobres"

  • Mané Solnet Foste um privilegiado, Victor Nogueira. Agora que falas sobre isto, associo as bandas desenhadas que nunca li, aos desenhos animados, em séries. Conheci recentemente o Corto Maltese e outros. Como os vejo todos quando posso, o meu marido, entretanto, enquanto se vê o filme acaba por me informar que a origem é de banda desenhada. Fico surpreendida, se queres saber. Sou uma infeliz, na velhice é que vejo estas coisas LOL
  • Victor Nogueira Ora, Manézinha aka Mané Solnet Ainda estás a tempo. Podes frequentar a bedeteca em lisboa ou a biblioteca municipal. Tb muitos podem ser vistos na internet, Ou vais à FNAC ou à Barata, sentas.te numa poltrona e lês a BD que têm para venda. É preciso é descontração 


    Vou deitar-me que estou cansado. Agora é a saga de elaborar os documentos para a próxima assembleia de condóminos 
  • Mané Solnet Antes tarde que nunca. Mas aprendi e li muitas outras coisas durante a vida Victor. Boa noite. Bjinhos.

  • Mané Solnet Só para acabar, a minha mãe era católica ferrenha-obssessiva. Quando comecei a aprender a ler, dava-me as revistas das Missões. Passava horas a ler e a observar os bonecos em banda desenhada das hstórias que se «passavam» em África: As freiras brancas vestidas de preto e os despidos meninos negros, quando eram tratados no hospital, ou tinham assistência nas aldeias. Portanto, sempre li alguma banda desenhada LOL
  • Judite Faquinha Victor ia lá imaginar que o capitão Haddoch teria uma história, tão fantástica...a banda desenhada e a sua história gostei de ler. Boa noite, descansa na paz dos anjos bjs.
  • Isabel Dias Alçada Beijos amigo, bons sonhos
  • Manuela Miranda Amigo Victor sou pouco leitora, mas sabe que eu tenho os livros quase todos de uns sobrinhos meus do Tim Tim porque eu em criança era pobre não podia comprar, e então ainda não li nenhum, mas com esta motivação toda tua da apresentação da personagem e os amigos com estes comentários e os seus tão deliciosos não vou perder de ler, deve dar algum ensinamento. Obrigada Amigo Victor bjs Boa 6ª feira e vou desejando Boas Festas mas ainda estou por aqui. bjs Amigão


    Capitão Haddock, das aventuras de Tintin, de Hergé

    Mais em


    (português)


    (francês)

    Sem comentários: