Allfabetização

Este postal é - creio - uma fotografia retirada dum dos dois filmes que há dias vi sobre as campanhas de alfabetização, as tais em que eu gostaria de ter participado em Agosto último se ... Esta cena do filme era comovente: uma mulher que até aí não sabia comunicar por escrito, conseguir fazê-lo. A procura das sílabas, o gesto hesitante, o voltar atrás para corrigir ou desenhar melhor a letra !!! Deve ser bestial um tipo descobrir que sabe ler, não achas? (1974)

Escrevivendo e Photoandando

No verão de 1996 resolvi não ir de férias. Não tinha companhia nem dinheiro e não me apetecia ir para o Mindelo. "Fechado" em Setúbal, resolvi escrever um livro de viagens a partir dos meus postais ilustrados que reavera, escritos sobretudo para casa em Luanda ou para a mãe do Rui e da Susana. Finda esta tarefa, o tempo ainda disponível levou me a ler as cartas que reavera [à família] ou estavam em computador e rascunhos ou "abandonos" de outras para recolher mais material, quer para o livro de viagens, quer para outros, com diferente temática.

.

Depois, qual trabalho de Sísifo ou pena de Prometeu, a tarefa foi-se desenvolvendo, pois havia terras onde estivera e que não figuravam na minha produção epistolar. Vai daí, passei a pente fino as minhas fotografias e vários recorte, folhetos e livros de "viagens", para relembrar e assim escrever novas notas. Deste modo o meu "livro" foi crescendo, página sobre página. Pelas minhas fotografias descobri terras onde estivera e juraria a pés juntos que não, mas doutras apenas o nome figura na minha memória; o nome e nada mais. Disso dou por vezes conta nas linhas seguintes.

.

Mas não tendo sido os deuses do Olimpo a impor me este trabalho, é chegada a hora de lhe por termo. Doutras viagens darão conta edições refundidas ou novos livros, se para tal houver tempo e paciência.

VN

domingo, 22 de julho de 2007

Personagens de Lisboa (1)

Monumento ao ardina - Largo de S. Roque, Lisboa


António Ribeiro, o Judeu (dramaturgo)
.

No coração da Baixa Lisboeta, junto ao Bairro Alto, encontra-se a zona do Chiado. Nela está a estátua do poeta homónimo, inaugurada a 18 de Dezembro de 1925, por iniciativa da Câmara Municipal de Lisboa, para homenagear o poeta. A estátua, de bronze, é da autoria de Costa Mota (tio) e a base, em pedra lioz, de José Alexandre Soares. Nela se vê a representação do poeta sentado num pequeno banco, envergando o hábito de monge, sorrindo com escárnio, numa posição arqueada, de convite. (Wikipedia)


Fotografia de Antonio Primero de Ribeira




Em 1775 foi inaugurada a estátua equestre de Dom José I, em Lisboa,


no dia do 61º aniversário do monarca. Os festejos duraram três dias e foram dos mais grandiosos que a corte já vira até então.




Lisboa. Estátua de Camões - 1868

Praça e monumento de Luiz de Camões


Fotografia, Moreira, 1868 In Album, Moreira Photographo, [1868], ft. 1BN EA. 126 V.

Autoria Victor Bastos, entre 1860 e 1867 Inauguração contém a estátua de Luís Vaz de Camões, bem como as de Fernão Lopes, Fernão Lopes de Castanheda, Francisco Sá de Menezes, Gomes Eanes de Azurara, Jerónimo Corte-Real, João de Barros, Pedro Nunes e Vasco Mouzinho de Quevedo. Foi a primeira estátua pública dedicada a um escritor. O pedestal da estátua, em pedra, mede 7,5 m, sustentando a estátua figurativa de Camões, em bronze, com a altura de 4 metros.



Monumento a Eça de Queirós,

Largo do Barão de Quintela, Armando Serôdio, 1959, Arquivo Municipal de Lisboa - AFML, A29234

Autoria Réplica do original de Teixeira Lopes, de 1903

Inauguração 26 de Julho de 2001
Réplica em bronze da estátua original (em pedra) da autoria de Teixeira Lopes, inaugurada no mesmo local em 1903. O original foi removido para o Museu da Cidade, em consequência dos repetidos acto de vandalismo que mutilaram a estátua.O escultor inspirou-se na frase do escritor "Sob a nudez forte da verdade, o manto diáfano da fantasia", e representa o escritor segurando uma figura feminina, representando a alegoria da Verdade.





Manuel Maria Barbosa du Bocage



Fernando Pessoa nas ruas da baixa lisboeta


Fonte: Livro "Fernando Pessoa na Intimidade", de Isabel Murteira França.

Publicações Dom Quixote, Lisboa 1987.

2 comentários:

carla granja disse...

olá! adorei vêr as tuas fotos de lisboa o antes e o depois está lindo . daki a 100 anos fazem o mesmo com a lisboa de agora e como vai estar daki a 100 anos. eu nasci em cascais e adoro lisboa mas gosto de imaginar o antes das coisas por isso a minha viagem de sonho foi ter ido a roma e amei cada cantinho,cada lugar k pisava foi maravilhoso. ontem fiz um poema sobre a ilha do farol por acaso tmb tenho o antes e o depois mas só coloquei a foto de agora se kiseres dá uma olhada. bjo
carla granja

Ema Pires disse...

Lindo passeio por Lisboa, onde nasci e que adoro particularmente. Para mim nao há cidade mais bonita, - e já viví e estive em muitas.
Obrigada por nos deleitar com estas lindas fotografias.
Voltarei para ver mais.
Um abraço